Especialista considera difícil limpeza do óleo do mangue

A Petrobras já concluiu o trabalho de limpeza do óleo que vazou do poliduto na Serra do Mar e que atingiu os rios do Meio, Sagrado, dos Neves e Nhundiaquara e parte da baía de Paranaguá.

No entanto, a avaliação de especialistas é de que a retirada total do diesel é impossível. Segundo a bióloga Gisele Sessegolo, que realiza um trabalho de recuperação de um mangue atingido por esgoto doméstico em Paranaguá, é muito difícil fazer um trabalho de limpeza do mangue, uma região de difícil acesso.

O segundo tenente Álvaro Gruntowski, da Polícia Florestal, explica que, com a subida da maré, o óleo que estava na água atingiu a área alagadiça do mangue.

Quando a maré baixa, avalia ele, uma grande parte do óleo fica retida na vegetação. Esse óleo, lembra ele, não será retirado e possivelmente não será contabilizado pela Petrobras.

Ele lembra ainda que o óleo que vazou na Serra do Mar – diesel para embarcações – é mais fino que o óleo bruto que atingiu o Rio Iguaçu e que, por isso, é mais difícil visualizar áreas atingidas.

Explicações Os deputados federais petistas Dr. Rosinha, Walter Pinheiro, Jaques Wagner, Fernando Ferro e Luis Alberto pediram uma audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara para que o presidente da Petrobras, Henri Phillip Reichstul, dê explicações sobre o plano emergencial da empresa para a limpeza e recuperação dos danos ambientais causados na Serra do Mar em decorrência do vazamento do gasoduto.

Além da audiência pública, segundo o Dr. Rosinha, também será solicitado à Polícia Federal abertura de inquérito policial para investigar falhas e por violação de leis ambientais.
(Gazeta do Povo)