IAP multa MST em 6 milhões de reais

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) multou ontem o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) em R$ 6 milhões, pelo desmatamento de quatro hectares de mata nativa em Inácio Martins, no Centro-Sul do estado.

A área era coberta de pinheiro, imbuia, xaxim e erva-mate. Mais de 10 mil árvores, incluindo cerca de 6 mil pinheiros, podem ter sido extraídos sem plano de manejo.

As famílias de sem-terra que vivem no local afirmam estar apenas vendendo — a R$ 60 o metro cúbico — as árvores que foram cortadas antes da ocupação, que aconteceu há três meses. Cerca de 45 famílias vivem em 5,5 mil hectares de uma propriedade que pertence à Madeirit. A empresa explora reflorestamentos de pinus na região e denunciou o furto de madeira ao IAP e ao Ministério Público.

A equipe do IAP teve que garantir aos sem-terra que ninguém seria preso para vistoriar a área. Os policiais que acompanhavam a equipe não percorreram a zona desmatada. Os oito repórteres que acompanhavam a operação foram mantidos como reféns, na entrada do acampamento.

Os técnicos do IAP encontraram no local 1,3 mil metros cúbicos de madeira, volume que equivale a quatro mil toras de imbuia e pinheiro. Eles calculam que outras 6 mil árvores, a maioria pinheiro, foram extraídas da mesma área.

A operação fiscal começou na quarta-feira, quando os técnicos sobrevoaram de helicóptero o acampamento e avistaram toras, caminhões e tratores. Ao todo, foram vistoriados ontem 9 mil hectares, incluindo um assentamento de 1,7 mil hectares e outras áreas da Madeirit, onde não aconteceram autuações. Os receptadores das milhares de árvores cortadas ilegalmente ainda não teriam sido identificados.

As placas de dois caminhões que estavam estacionados no acampamento ontem à tarde serão investigadas pelo IAP. Os sem-terra não revelam a quem vendem a madeira, nem mesmo aceitam se identificar. Nesta semana, o transporte e o depósito de madeira extraída ilegalmente foi flagrado em Prudentópolis, em Rio Bonito do Iguaçu e em Pinhão.
(Gazeta do Povo)