Inutilizadas 3,5 mil redes no Oeste de SC

O 8º Pelotão de Polícia Ambiental de Chapecó inutilizou na segunda-feira 3,5 mil redes que somavam 70 mil metros de extensão. Estas redes foram apreendidas nos últimos dois anos numa área de abrangência de 63 municípios.

A maioria das apreensões foram nos rios Chapecó e Uruguai, inclusive no lago da Usina Hidrelétrica de Itá.

O material foi recolhido pois estava sendo utilizado em práticas ilegais de pesca como no período da piracema e fora dos padrões permitidos.

Ao invés da incineração o material foi prensado em blocos e será enterrado em um depósito de lixo industrial.

Segundo o sargento o objetivo foi evitar a liberação de gases tóxicos com a incineração. Outras 800 redes permanecem no depósito da Polícia Ambiental em Chapecó pois os proprietários foram pegos em flagrante pesca ilegal e estão respondendo processo por crime ambiental.

A pena prevista pela Lei de Crimes Ambientais é de seis meses a um ano de reclusão e multa de R$ 700 a R$ 10 mil. Sandro Silva considerou grande o volume de redes apreendidas.

O motivo é a atração dos pescadores pela grande variedade de peixes do Rio Uruguai, principalmente o dourado. No entanto ele acredita que com a fiscalização e o controle maior das carteiras de licença, a pesca ilegal será reduzida.

O comandante da Polícia Ambiental de Chapecó, Ademar Casanova, informou que a pesca com rede somente é permitida a pescador profissional habilitado no Ministério da Agricultura.
(Diário Catarinense)