Ambientalista alerta para riscos ecológicos de queda da Mir

A estação espacial Mir vai poluir a atmosfera terrestre em uma extensão de várias centenas de quilômetros durante a operação de destruição prevista para o final deste mês, declarou nesta terça-feira Serguei Krichevski, especialista do Centro russo de Política Ecológica.

“É impossível destruir a Mir sem riscos ecológicos com o método escolhido pelas autoridades espaciais russas”, afirmou Krichevski, membro da Academia de Ciências Naturais da Rússia.

A Rússia decidiu tirar a Mir de sua órbita e fazer com que se queime ao entrar na atmosfera. A operação está prevista para ser realizada entre 20 e 23 de março.

“Ao entrar nas camadas densas da atmosfera a 100 km da superfície da Terra, com grande velocidade, mais de 28 mil km/h, a estação será freada, sua superfície se aquecerá até atingir milhares de graus Celsius e suas estruturas se fundirão, se queimarão e se evaporarão, poluindo a atmosfera ao longo de toda a trajetória da queda”, explicou o cientista.

Krichevski considera que existe igualmente o risco de “uma falha do sistema de motores durante a operação, o que provocaria uma mudança radical de trajetória e uma situação de catástrofe”.

Finalmente, o especialista evocou “a existência de um grande número de microorganismos hostis a bordo da estação”, que poderão cair no Oceano ou em qualquer lugar do planeta.

As autoridades do setor espacial russo asseguraram que os riscos ligados à destruição da Mir são mínimos.
(Folha de São Paulo)