Estudantes indígenas vão ter currículo diferenciado

Alunos paranaenses das etnias kaingang e guarani que estudam nas escolas indígenas públicas vão ganhar um currículo diferenciado.

“Vamos estruturar um currículo intercultural e bilíngüe, que atenda às reais necessidades das comunidades indígenas e garanta uma identidade cultural”, esclarece Valdice Raquel Wagner, técnica pedagógica da Secretaria de Estado da Educação.

Esse trabalho será iniciado na segunda-feira (26), com a capacitação dos 100 professores que atuam nas 26 escolas de 1ª a 4ª séries do ensino fundamental espalhadas pelas 17 áreas indígenas do Paraná. 70 desses docentes são índios das etnias kaingang ou guarani.

Os professores vão participar de oficinas que os prepararão para coletar informações sobre o conhecimento científico e o nível de escolarização dos índios, o processo histórico, geográfico e cultural vivenciado pelos indígenas no Estado, entre outros temas. “Os dados levantados nas pesquisas servirão de base para a elaboração do novo currículo”, explica Valdice.

A capacitação vai ser realizada em Curitiba e terá carga horária total de 120 horas. Serão três etapas, com a última programada para maio. A preparação dos professores para a construção do novo currículo integra um projeto de educação escolar indígena financiado pelo Governo do Paraná e pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Educacional do Ministério da Educação (FNDE/MEC).

Ao todo serão investidos R$ 80 mil. O projeto também prevê a edição de material didático sobre o artesanato guarani.
A população indígena é formada por cerca de 4 mil pessoas no Paraná. Nas escolas indígenas são atendidos 2 mil alunos. Atualmente, eles recebem os conteúdos curriculares do ensino regular nas línguas maternas kaingang e guarani.

Inédito – Neste ano, os estudantes indígenas ganharam um material inédito de alfabetização na língua kaingang, elaborado pelos professores bilingües Manoel Norég-Mág Felisbino e Jandira Grisânh Felisbino, do Posto Indígena de Apucaraninha, na região de Londrina.

Eles também são autores de um livro de literatura sobre a fauna do Paraná, escrito em kaingang, que também foi repassado aos alunos. As duas publicações foram produzidas com o apoio da Secretaria de Estado da Educação, Universidade Estadual de Londrina e da organização não governamental Missão do Cristianismo Decidido.

Em breve, os alunos e professores vão ter acesso a livros didáticos em guarani. “O material está em fase final de produção”, diz Valdice Wagner.
(Estado)