40% das casas de Curitiba não têm rede de esgoto

A fama da “capital ecológica” está arranhada. Aproximadamente 40% das casas, edifícios, indústrias e estabelecimentos comerciais de Curitiba não têm rede de esgoto.

Os dejetos que saem destes locais são depositados em fossas rudimentares e sépticas ou despejados diretamente nos rios, comprometendo a qualidade da água consumida pela população e aumentando o risco de doenças.

Em seis bairros da capital paranaense, a coleta é inexistente: Umbará, Campo do Santana, Ganchinho, Caximba, Lamenha Pequena e Riviera.

Há ainda outros bairros, de importância para Curitiba, em que a coleta ainda está em fase inicial- Capão Raso (3,28%), Santa Felicidade (11,14%) e Campo Comprido (10,21%).

Especialistas do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná afirmam que as populações ribeirinhas são as mais expostas à contaminação. Tal fato, pode ocasionar sérios problemas de saúde como hepatite A, cólera, leptospirose e todas as infecções causadas por bactérias do intestino.

Além da contaminação da água, o esgoto a céu aberto favorece a proliferação de ratos, baratas e insetos, transmissores de muitas doenças e até mesmo a morte de alguns rios, causando danos ao meio ambiente. Nesses casos, o nível de oxigênio das águas atinge índices muito baixos, o que inviabiliza a sobrevivência de peixes ou de qualquer outro tipo de vida.(ambientebrasil)