Iguanas de Galápagos também foram afetadas por maré negra

De acordo com um estudo feito pela Universidade Tufts, em Massachusetts, publicado nesta sexta-feira na revista Science, as iguanas das ilhas Galápagos, inclusive as que vivem nas zonas que não foram alcançadas pela maré negra em janeiro, sofreram estresse.

Segundo o professor Michael Romero, que estuda as iguanas da região desde 1981, os répteis foram afetados indiretamente pelo derramamento de óleo porque se alimentam de algas. A consequência já se reflete no aumento da taxa de corticosteróide no plasma dos animais.

“Apesar de a maré negra não ter causado danos de curto prazo em Galápagos, os efeitos negativos nos animais que vivem ali serão de longa duração e podem ser mortais”, destacou. 

O vazamento de várias toneladas de combustível ocorreu no dia 16 de janeiro, quando o petroleiro Jéssica encalhou em frenta à ilha San Cristóbal.
(ambientebrasil)