Governo muda fiscalização para evitar corrupção em Agências de desenvolvimento

O governo separou as atividades de repasse de verbas e de fiscalização do dinheiro empregado nos projetos das extintas Sudam e Sudene, como forma de combater a corrupção nos dois órgãos. O repasse será feito pelas agências de desenvolvimentos regionais e a fiscalização, por órgãos externos a elas.

Fernando Henrique Cardoso, citou como exemplo desses órgãos o Banco do Nordeste e o BNDES. Segundo o presidente, a situação permanecerá dessa forma até que sejam criadas instâncias próprias para fiscalizar o envio e emprego do dinheiro nos projetos.

Antes da extinção, o repasse e a fiscalização eram feitos pelas duas autarquias. A medida provisória 2.145/01 que extinguiu a Sudam e a Sudene, assinada pelo presidente, estabelece também a criação das agências de desenvolvimento regional para substituir as duas autarquias -a Agência de Desenvolvimento da Amazônia e a Agência de Desenvolvimento do Nordeste.

Em seu discurso, feito antes de assinar a MP, FHC declarou que o governo só tomou essa iniciativa devido às denúncias de corrupção que estão sendo reveladas pela imprensa.(ambientebrasil com Agência Folha)