Aparelho que reduz uso de agrotóxicos

A Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária desenvolveu o bocal eletrostático para pulverizadores, um equipamento que reduz o uso de agrotóxicos em plantações.
O pesquisador Aldemir Chaim, criador do bocal, declara que o aparelho é indicado para pequenos agricultores e para culturas de porte arbustivo, como uva e café, por exemplo.

O bocal é um dispositivo que fraciona o líquido em gotas muito pequenas e as carrega com eletricidade estática (essa indução eletromagnética ocorre entre dois corpos mantidos sob diferentes potenciais e distantes entre si). Nesse caso, forma-se um campo elétrico, onde as cargas positivas se acumulam no corpo em potencial positivo, e as negativas no outro corpo.

Quando a gota carregada se aproxima da folha da planta, há a atração do líquido pelo vegetal por conta da diferença de potencial. O líquido é depositado em toda a folha, inclusive nas partes inferiores dela.

Desta forma, Chaim declara que. “Toda gota vai ser atraída por um objeto que está aterrado, ou seja, que tem ligação com o solo. Como as gotas estarão mais próximas das folhas do que do solo, pouco líquido cairá no chão”, explicou.

Quanto mais aumentar a proporção do agrotóxico que fica nas folhas, menos agrotóxico será utilizado. Desta forma, o agricultor economiza o insumo, diminui a contaminação dos homens que fazem a aplicação e também ajuda o meio ambiente. Os alimentos se tornam mais saudáveis para consumo.

Uma plantação de tomate foi utilizada para testar o equipamento. Com o bocal, foi reduzido em 13 vezes a contaminação dos aplicadores e aumentamos em 19 vezes a disposição da dose no teste em comparação com o pulverizador sem o bocal.

Atualmente estimativas apontam que menos de 1% do agrotóxico é efetivamente utilizado para controlar pragas. Também há indicações de que com o uso de gotas com carga eletrostática é possível reduzir em mais 50% dos ingredientes ativos recomendados nas aplicações, sem reduzir a eficácia biológica dos agrotóxicos.

O bocal patenteado e há entre três e quatro empresas analisando a possibilidade de fabricar o dispositivo. A expectativa é que a faixa de preço final fique entre R$100 e R$200 .

Aldemir Chaim trabalhou sozinho, sem financiamento para desenvolver o bocal. Muitas vezes usou seu salário para comprar materiais e além disso reaproveitou alguns itens recebidos por doações. “Fiz o bocal como uma resposta aos pequenos agricultores, que são muito penalizados com altos custos”, desabafou.

Dia de Campo

O aparelho será apresentado no programa Dia de Campo, na próxima sexta-feira ( 11 de maio), das 9h às 10h. O programa é transmitido de Brasília para todo o País via satélite.

Para sintonizar o canal, é necessário sintonizar a antena parabólica na polarização horizontal, banda C, freqüência 3910, sinal aberto. (ambientebrasil com Embrapa e Estadão)