Andiroba é inseticida anti-cupim

Cientistas do Inpa – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, descobriram que o extrato de algumas plantas da região que atuam como inseticidas naturais contra uma espécie de cupim, poderão ser sintetizados e usados industrialmente na fabricação dos venenos.

Além de estudar inseticidas, os pesquisadores buscam fungicidas naturais e a identificação de componentes químicos de espécies florestais arbóreas, de alta resistência natural, que evitem o ataque e de insetos, como cupins e besouros, e fungos.

Foram analisados, os cupins Nasutitermes sp. – subterrâneos, eles atacam tanto na cidade quanto no campo . As árvores que tiveram seus extratos utilizados foram andiroba, angelim-pedra (Dinizia excelsa), cedrorana (Cedrelinga catenaformis) e cardeiro (Scleronema micranthum). Os extratos foram aplicados na madeira da árvore marupá (Simarouba amara), de baixa durabilidade.

Os cupins ficaram isolados dentro de uma caixa, onde havia um pedaço de marupá com as substâncias extraídas do lenho e da casca de andiroba, angelim-pedra, cedrorana e cardeiro.

As madeiras impregnadas com substâncias do lenho da andiroba e angelim-pedra mostraram que ambas são muito resistentes. Já a substância da cedrorana obteve classificação resistência moderada e cardeiro não apresentou resistência, ou seja, não serviria como um inseticida para cupins.

Em relação às substâncias extraídas da casca, andiroba e cedrorana se mostraram altamente resistentes, enquanto argelim-pedra e cardeiro não apresentaram nível de resistência aos cupins.

Um dos objetivos dos cientistas do Inpa é além de desenvolver inseticidas naturais, estimular o extrativismo sustentável na região Amazônica.(ambientebrasil)