Embrapa realiza 16 cursos de prevenção de queimadas na próxima semana

Na próxima semana, entre os dias 18 e 23 de junho, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento, dará prosseguimento ao treinamento de multiplicadores, que irão repassar aos produtores rurais tecnologias que
podem substituir a utilização das queimadas na agricultura.

O treinamento é uma das etapas da Campanha Alternativas para a Prática das Queimadas na Agricultura. Neste ano, a ação está sendo concentrada nos Estados de Rondônia, Piauí, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso,Pará, Maranhão e Tocantins, responsáveis por 85% dos focos de queimadas
registrados no ano passado, segundo a Embrapa Monitoramento por Satélite(Campinas-SP).

No dia 18, técnicos da Embrapa, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e parceiros de Organizações Não-Governamentais estarão nos seguintes municípios: Cáceres (MT),
Marabá (PA), Bom Jesus (PI) e Araguaína (TO). Já no dia 19 de junho, os treinamentos ocorrerão novamente em Marabá (PA) e em Bom Jesus (PI).

No dia 20, os multiplicadores de Juína (MT), Balsas (MA) e Palmas (TO)receberão as instruções.

Na quinta-feira, dia 21 de junho, os treinamentos serão realizados em Redenção (PA) e Balsas (MA). No dias seguinte, 22, estão previstas instruções em Redenção (PA), Alta Floresta (MT), em Barreiras (BA) e em
Gurupi (TO).

Encerrando as atividades da semana, no dia 23, os técnicos
ministrarão curso em Sinop (MT).Além das aulas, os multiplicadores receberão cartilhas e vídeos, que
servirão de apoio para o futuro repasse de informações aos produtores.”Os municípios escolhidos ficam localizados em áreas críticas, onde a prática de queimadas é bastante acentuada”, garante o pesquisador da
Embrapa Elias de Freitas Júnior, acrescentando que as tecnologias à disposição dos agricultores são baratas e de fácil aplicação.

A campanha é coordenada pelo Ministério da Agricultura e do
Abastecimento, com suporte técnico da Embrapa e participação dos Ministérios do Meio Ambiente, do Desenvolvimento Agrário, do Instituto
Nacional de Meteorologia (Inmet), do Ibama, das Secretarias de Agricultura e do Meio Ambiente dos Governos Estaduais, das prefeituras municipais, ONGs, universidades, escolas agrotécnicas, cooperativas,associações de produtores, sindicatos, instituições de crédito agrícola,
dentre outras entidades.(Embrapa)