Nova estratégia contra efeito estufa

A maioria dos esforços para reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2) — um dos principais gases do efeito estufa, que contribui para elevação das temperaturas no mundo — é feita de duas maneiras: desenvolvimento de energias alternativas, como nuclear e solar; e adoção de tecnologia mais avançada, que permite reduzir a emissão.

Agora, cientistas americanos estão explorando uma terceira estratégia: capturar o dióxido de carbono antes de ele alcançar o ar e estocá-lo no solo, ou no mar.

Diariamente, cinco mil toneladas de CO2 comprimido fluem de uma fábrica de gás natural em Dakota do Norte por 320 quilômetros de dutos, até um campo de petróleo em Saskatchewan. Lá, ele é bombeado para jazidas de petróleo esgotadas, a quase 1,6 quilômetro de profundidade, onde se espera que fique por milhares, se não milhões de anos, longe da atmosfera e de interferências no clima.

A ciência que permite seqüestrar o dióxido de carbono é ainda incompleta, mas poderia ajudar o governo dos Estados Unidos a reconciliar os divergentes objetivos de suas políticas de energia e clima, favorecendo a construção de usinas de energia que queimem combustíveis e ao mesmo tempo reduzam a emissão de gases nocivos.

O projeto de Saskatchewan, tem chamado pouca atenção, em parte porque foi feito não para impedir o aquecimento global, mas para aumentar o fluxo de petróleo.
(O Globo Online)