Transgênicos reduziriam gasto com agrotóxico

O plantio de alimentos geneticamente modificados no Brasil poderia levar a uma redução de 10% a 15% dos custos com agrotóxicos, disse nesta terça-feira o professor da Esalq/USP Ernesto Paterniani em seminário promovido pela Abia – Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação em Belo Horizonte.

Segundo ele, em todo o mundo o gasto com produtos químicos nas plantações chega a US$ 35 bilhões/ano, sendo que no Brasil esse custo é de US$ 2,5 bilhões.

No Brasil, os experimentos de campo com organismos geneticamente modificados estão suspensos por liminar desde o mês passado, o que atingiu diretamente os experimentos com a soja transgênica Roundup Ready, da Monsanto, o milho e o algodão BT da Syngenta (fusão da Novartis com a AstraZeneca).

Apesar das proibições e do retardamento dos plantios, a coordenadora-geral de Biotecnologia do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ana Lúcia Delgado Assad, afirma que o setor poderia obter um crescimento significativo, passando do faturamento de R$ 295 milhões em 1996 para R$ 1,74 bilhão até 2006.

De acordo com a chefe geral da Embrapa Agroindústria de Alimentos, Marília Regini Nutti, 13 países já possuem legislação específica para a rotulagem de organismos geneticamente modificados.
(Estadão Online)