Polícia Federal e Exército deixam Estrada do Colono

A operação de fechamento e destruição da Estrada do Colono foi concluída nesta quarta-feira com a saída do pelotão da Polícia Federal e do Exército da área.

Somente 20 dos 350 agentes de todo país mobilizados para desocupar o trecho continuarão no local por tempo indeterminado, evitando que os moradores voltem a ocupar a via, que corta o Parque Nacional do Iguaçu ligando as Regiões Oeste e Sudoeste.

O Ibama – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis avisou ontem que vai processar as pessoas que tentarem reocupar o trecho.

O delegado do Cot – Comando de Operações Táticas, Antônio Borges Filho, informou ontem que um alojamento será construído imediatamente para os policiais que permanecerão no local. O abrigo será levantado na entrada do Parque, em Serranópolis do Iguaçu, servindo como barreira para o acesso de pessoas.

Devido ao início das obras, a construção de um muro simbólico próximo à estrada, que seria iniciada nesta quarta-feira, foi adiada. Antes de sair da área, a tropa da Polícia Federal ainda fez mais uma valeta no início da estrada.

Os agentes da Polícia Federal ficarão de plantão durante 24 horas, em sistema de revezamento, para garantir a segurança da Estrada do Colono.

Como medida de precaução, o Previ-Fogo, brigada anti-incêndio do Ibama formada por 50 pessoas, começou a mapear pontos da estrada. O trabalho foi requisitado em função das ameaças dos moradores em colocar fogo no Parque.

O Exército divulgou ontem uma nota ressaltando que apenas participou da operação com apoio logístico. As tropas da corporação não afundaram a balsa que transportava veículos pelo rio Iguaçu ou usaram máquinas para destruir o trecho.

Discussão Judicial

Uma comitiva formada pelos deputados estaduais Eli Ghellere, Thiago Amorin, Luiz Fernandes Litro e Chico Noroeste, além de prefeitos e vice-prefeitos de Medianeira, de Missal e São Miguel reuniu-se ontem em Porto Alegre com a juíza do TRF – Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, Marga Tessler. Foi dela que partiu a ordem para fechamento da Estrada do Colono.

No encontro, a juíza salientou que a conduta dela foi baseada na Lei. Ela ainda sugeriu que os municípios que defendem a reabertura da estrada encaminhassem ao Ministério Público uma proposta de ajuste de condutas.

Com a medida, haveria chances de haver acordo entre as partes. As lideranças da Estrada do Colono avaliaram a reunião como positiva, principalmente pela oportunidade de esclarecer a juíza sobre as perdas da região sem a estrada. Na oportunidade, ela recebeu um convite para visitar o trecho em agosto.
(Gazeta do Povo Online)