Ibama suspende projetos de exploração de madeira no Amapá

O Ibama, a agência ambiental federal, suspendeu 50% dos Planos de Manejo de áreas florestais no Amapá, onde estava autorizada a exploração madeireira.

Segundo o diretor do Ibama no Estado, Murilo Pinheiro, as licenças foram suspensas porque os proprietários são suspeitos de exploração irregular de espécies não autorizadas, maquiagem de papéis para acobertar madeira clandestina e falta de prestação de contas.

Os 31 projetos suspensos serão reavaliados durante a realização da Operação Amazônia Fique Legal, que, no Amapá, só começa em julho, quando os rios são mais propícios ao escoamento de madeira e as estradas vicinais ficam transitáveis, facilitando a fiscalização que vai contar como a participação da Polícia Federal e o Exército.

Na avaliação do diretor do Ibama, a ofensiva tem que priorizar os projetos já autorizados, porque, embora o desmatamento ilegal tenha diminuído, o corte autorizado tem crescido, pressionando os índices de destruição.

As propriedades amazônicas podem ter até 20% de sua vegetação derrubada, desde que algumas áreas mais frágeis sejam preservadas, como as margens dos rios.

O Amapá ficou de fora do ranking dos Estados com maior índice de devastação divulgado pelo Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Para o instituto, 97% da área do estado continuam preservados.
(Estadão Online)