Por conta dos altos custos, energia do lixo não é explorada.

Como o Brasil atravessa um período de colapso no setor energético, fontes alternativas de produção de energia são junto com o racionamento e melhoria no atual sistema uma saída objetiva para evitar maiores crises.

A energia gerada através do metano produzido pela degradação dos resíduos orgânicos nos aterros pode ser encarada como uma opção pouco explorada.

No Brasil ainda não há geração de energia a partir deste processo. Para os pesquisadores deste setor, a principal razão são os altos custos do processo, somados à falta de uma regulamentação mais clara por parte do setor energético nacional de como seria a venda e distribuição dessa eletricidade na rede.

Uma das explicações para os altos custos é a necessidade de importação e pagamento em dólar, dos equipamentos para a montagem da planta de metano, já que eles não são produzidos no Brasil. Cada kW de potência instalada custa, US$ 1.000.

Estímulos

Nos Estados Unidos, o problema do custo da produção desta energia foi resolvido com financiamento das “plantas de metano” por meio de uma isenção de taxas. No início da década, havia 86 projetos de aproveitamento energético do metano. Em 1995 já eram 142 e hoje existem 330, segundo a EPA (agência de proteção ambiental norte-americana).O subsídio acabou em 1998, e a EPA está estudando novas formas de incentivar a produção de energia a partir do lixo nos EUA.

Aqui também, a Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica tem um programa de isenção de taxas para geração de energia a partir de fontes alternativas que prevê, redução de 100% nas tarifas de transmissão para projetos instalados até 2003.A expectativa é que cinco projetos-pilotos sejam iniciados: três em São Paulo e dois no Rio de Janeiro.(ambientebrasil)