MAIS UM PEIXE-BOI ENCALHA NO NORDESTE

Encalhou na última sexta-feira, 15, no Ceará, o terceiro filhote de peixe-boi em menos de um mês. Trata-se de uma fêmea, recém nascida e ainda com cordão umbilical. O filhote mede 130 cm de envergadura e pesa 32,5 kilos.

A equipe da Aquasis, uma ONG que trabalha na preservação de Mamíferos Marinhos, resgatou o animal, que se encontra na sede da ONG para os primeiros cuidados. O animal deve ser transferido nesta semana para o Centro Mamíferos Aquáticos/IBAMA, em Itamaracá (PE).

De Outubro a Março ocorre o maior número de encalhes de filhotes de peixes-bois porque esta é a época em que ocorre maior número de nascimentos. As fêmeas, que por causa da degradação ambiental, não conseguem mais parir em estuários e acabam tendo seus filhotes no mar e os perdendo logo após o parto.

Um filhote de peixe-boi recebe os cuidados da mãe durante dois anos, que é o período de amamentação. A gestação dura de 12 a 13 meses .É o quinto filhote de peixe-boi que encalha em praias nordestinas este ano. Foram três no Ceará e dois no Rio Grande do Norte.

Arani, o peixe-boi que encalhou no dia 20 de outubro no Ceará, e Potiguar, que encalhou no Rio Grande do Norte no dia 25, encontram-se em Itamaracá (PE) – na sede do Centro Mamíferos Aquáticos/IBAMA. Eles estão com boa saúde e se alimentam com quatro mamadeiras diárias de 300 ml cada. O alimento é uma mistura de leite sem lactose, ovos e carne de coco verde.

Com a chegada de mais um filhote, o número de peixes-bois nos oceanários do CMA/IBAMA passa para 17. Oito adultos, nos oceanários de visitação e nove filhotes na área de isolamento que serão reintroduzidos assim que atingirem a idade adulta. O Projeto Peixe-boi tem 22 anos de atuação e atua em todo o Nordeste, desde Sergipe até o Maranhão, tendo seis bases: AL, PE (sede), PB, CE, PI, MA. O Projeto Peixe-boi também se preocupa com a preservação do Peixe-boi Amazônico. Desde 2000, já aconteceram 5 expedições aos Estados do Amazonas e do Pará, com mais de 100 dias de campo e 300 localidades visitadas, com quase 500 entrevistas.

Na Amazônia ainda existe o costume da captura intencional do peixe-boi para alimentação e aproveitamento das partes do animal. As expedições estão realizando o diagnóstico do status de conservação da espécie e campanhas de conscientização – onde os artefatos de caça e as partes do animal são trocados por itens que evoquem a importância da preservação da espécie (cartazes, bonés, camisas, adesivos, etc.).
Rede de Encalhe recebe informações pelo 0800 21 2009 Se um peixe-boi, ou outro mamífero aquático encalhar em praias nordestinas, a população pode ligar para a Rede de Encalhes de Mamíferos Aquáticos do Nordeste ( 0800 281 2009). (IBAMA)