REDE AGUAPÉ DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PANTANAL É LANÇADA EM CAMPO GRANDE/MS

Será lançada nesta quarta-feira (20), às 8h30, no anfiteatro do Centro de Ciências Humanas e Sociais da UFMS – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, em Campo Grande (MS) a primeira rede multinstitucional de Educação Ambiental na região do Pantanal. É a Aguapé – Rede Pantanal de Educação Ambiental, que vai realizar um conjunto de ações em municípios pantaneiros dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul durante 18 meses.

O projeto foi proposto pela ong Ecoa – Ecologia e Ação que se uniu a cinco entidades para construir coletivamente o projeto: UFMS – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, SED – Secretaria de Estado de Educação de MS, IMAP/MS – Instituto de Meio Ambiente Pantanal, IBISS-CO – Instituto Brasileiro de Inovações pró-Sociedade Saudável/Centro-Oeste, MUPAN – Mulheres em Ação no Pantanal. O trabalho conta com o apoio do FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente.

As atividades serão descentralizadas e coordenadas por decisões colegiadas, embasadas no conhecimento técnico e científico, tendo como princípio a qualidade da informação e sua democratização por meio de vários instrumentos de comunicação.

A criação da primeira rede de educação ambiental para as populações da região também prevê a integração voluntária de instituições, movimentos e populações que moram no Pantanal boliviano e paraguaio.

Projeto prevê ações locais em 10 municípios

Apesar de prever a criação e operação de diversos instrumentos de comunicação pela rede mundial de computadores, seja por meio de páginas da internet, correio eletrônico e lista de discussão, a Aguapé – Rede Pantanal de Educação Ambiental não funcionará apenas virtualmente. O projeto prevê ações locais diretas em 10 municípios-pólo presentes na Bacia do Alto Paraguai (BAP. São eles: Cáceres (MT), Poconé (MT), Santo Antônio do Leverger (MT), Cuiabá (MT), Coxim (MS), Corumbá (MS), Porto Murtinho (MS), Jardim (MS), Aquidauana (MS) e Campo Grande (MS).

As quatro grandes metas que já começaram a ser executadas no mês de outubro deste ano são: o diagnóstico da educação ambiental nos estados de MT e MS, a capacitação de agentes multiplicadores da educação ambiental no Pantanal, a difusão de informações e notícias socioambientais e a articulação e animação da população para participar da Rede Aguapé.

A estruturação e detalhamento das metodologias para a execução das atividades são resultado de intensas discussões e trocas de experiências entre as entidades parceiras do projeto. A gestão da Rede Aguapé será colegiada, por meio do Conselho Deliberativo, uma instância democrática a ser criada.

Redes de educação ambiental serão espalhadas em várias regiões do país

A Rede Aguapé foi uma proposta ao FNMA para suprir uma grande carência de ações de proteção e conservação do Pantanal. A aprovação do Projeto aconteceu simultaneamente a outras quatro propostas enviadas de várias regiões do Brasil ao FNMA: Fortalecendo a Repea (Rede Paulista de Educação Ambiental), do Instituto de Educação e Pesquisa Ambiental Cinco Elementos; Tecendo Cidadania – Rede Brasileira de Educação Ambiental, do Instituto Ecoar para a Cidadania; Estruturação da Rede Acreana de Educação Ambiental, da Universidade Federal do Acre e Tecendo Redes de Educação Ambiental na Região Sul, da Fundação Universidade do Vale do Itajaí – Univali.

Através do Edital 07/2001, lançado em novembro de 2001, o Fundo Nacional do Meio Ambiente começa a apoiar as cinco redes multinstitucionais de Educação Ambiental para alimentar com informações e notícias o Sibea – Sistema Brasileiro de Informações sobre Educação Ambiental, que deve se constituir no maior banco de dados virtual da área no Brasil. Para conhecer a página experimental do Sibea na internet visite www.mma.gov.br e clique no link “Educação Ambiental”.
(Informações Ecoa)