COALIZÃO RIOS VIVOS REALIZA CONGRESSO INTERNACIONAL EM GOIÁS

Uma Conferência Indígena, debates, apresentação cultural, lançamentos, mais de 200 representantes de organizações da América Latina, Europa e Estados Unidos e muita troca de informação para a elaboração de um plano para as futuras ações da Coalizão Rios Vivos. Assim será o Segundo Congresso da Coalizão Rios Vivos que acontece em Goiânia, Goiás, entre os dias 4 e 7 de dezembro.

A Conferência Indígena será realizada no primeiro dia do congresso e irá reunir mais de 50 indígenas de 20 etnias do Chaco, Pantanal e Bacias do Araguaia e São Francisco. A conferência está sendo promovida com o objetivo de unir diferentes comunidades para que possam compartilhar suas experiências. O diferencial é que foram os próprios indígenas do Comitê Indígena da Coalizão Rios Vivos que solicitaram a reunião.

Os debates do congresso serão voltados para os quatro programas de trabalho da Rios Vivos que são: águas, energia, agricultura e agências multilaterais de financiamento. As discussões vão resultar em um plano de ação para os próximos cinco anos da Rios Vivos.

“A Coalizão tem desenvolvido ações positivas e importantes, mas agora o desafio é muito maior, pois o cenário é de globalização, isto obriga num maior esforço para formação de novas alianças que devem ser muito mais dinâmicas e sistematizadas”, explica o coordenador do Congresso, Jorge Daneri, sobre as futuras ações da Coalizão Rios Vivos. No evento também haverá espaço para as organizações apresentarem as experiências resultantes dos projetos desenvolvidos e será decidida a nova coordenação da Coalizão.

A maior parte do Congresso da Rios Vivos é para membros e convidados, mas na primeira noite, quando acontece a abertura com o show do cantor argentino Chango Spasiuk, será aberto ao público. O show será realizado no Auditório Lago Azul do Centro de Cultura e Convenções de Goiânia.

O Primeiro Congresso Internacional da Rios Vivos aconteceu em 1994 na cidade de São Paulo. Mais de cem ONGs participaram das discussões que tinha como objetivo a luta contra o projeto da hidrovia Paraguai-Paraná e a realização de projetos transversais nas diversas comunidades locais para defender a diversidade biológica e cultural das populações. Mais informações sobre o evento no site www.riosvivos.org.br .
(Fonte: Ecologia em Notícias – Edição 345)