SARDENBERG LANÇA PORTAL DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOTECA DIGITAL

O ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardenberg, lançou nesta quinta-feira (12), no IBICT – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, em Brasília (DF), o CanalCiência – portal de divulgação da pesquisa científica brasileira – e a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD). Os dois projetos foram desenvolvidos pelo IBICT, vinculado ao MCT – Ministério da Ciência e Tecnologia.

O Canal Ciência está acessível no endereço eletrônico www.canalciencia.ibict.br. Já a biblioteca, estará disponível na próxima semana no endereço eletrônico www.ibict.br.

CanalCiência

O portal é voltado a jornalistas, educadores e público interessado. Tem como principal conteúdo textos de fácil leitura sobre as pesquisas desenvolvidas nos institutos de pesquisa do país. Estes textos são publicados com o aval do pesquisador, garantindo-se, assim, o rigor que este tipo de informação requer.

Pode-se considerar que este é o grande diferencial do CanalCiência, porque o próprio pesquisador participa do processo de geração do texto de divulgação de sua pesquisa publicado no Banco de Pesquisas do portal.

Neste primeiro momento, o Banco de Pesquisas contém cerca de 50 pesquisas desenvolvidas no INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Instituto Mamirauá, Museu Paraense Emílio Goeldi e IBICT, matérias sobre os telescópios Gemini e Soar e sobre o satélite sino-brasileiro CYBER, além de pesquisas sobre fontes alternativas de energia dos Centros Nacionais de Referência do Fórum Permanente de Energia Renovável.

Acompanhando estes textos-resumos, encontram-se informações adicionais, como e-mail, instituição do pesquisador e endereço da página do projeto na Internet. O portal disponibiliza também um diretório de links com os principais serviços brasileiros de notícia em C&T, glossários, revistas, sites sobre a cultura científica e museus de ciência, entre outros.

Biblioteca digital

A BDTD – Biblioteca Digital de Teses e Dissertações é uma iniciativa do IBICT, apoiada pela Finep, que dissemina de forma integrada dados de teses e dissertações, possibilitando o acesso ao documento completo da tese. Dessa maneira, qualquer cidadão, por meio de portal único disponível na Internet, pode identificar, recuperar e acessar as teses e dissertações produzidas no país e no exterior.

Apoiada por um comitê técnico-consultivo constituído por representantes dos institutos do MCT (Finep, CNPq, IBICT) e pela Bireme, MEC/Sesu, MEC/Capes e de três universidades (USP, PUC-Rio e UFSC), a BDTD conta com uma rede de cooperação composta por IES – Instituições de Ensino Superior, públicas e privadas, que mantêm programas de pós-graduação. As IES são responsáveis pela publicação eletrônica das teses e dissertações elaboradas e defendidas no âmbito dos seus programas, e aquelas defendidas no exterior são de responsabilidade do IBICT. A adesão das IES à BDTD é realizada mediante assinatura de acordo de cooperação técnica com o MCT, representado pelo IBICT.

A BDTD conta atualmente com cerca de 130 mil referências bibliográficas de teses e dissertações de 14 IES cooperantes e 2 mil teses eletrônicas. Com o objetivo de ampliar a abrangência da BDTD e facilitar a integração de novas IES, o IBICT repassará, gratuitamente, as tecnologias desenvolvidas pelo Instituto para que estas instituições publiquem eletronicamente as suas teses. As IES com limitações de infra-estrutura tecnológica poderão se valer da infra-estrutura do IBICT.

A BDTD utiliza padrões e protocolos adotados internacionalmente, permitindo sua integração com outros sistemas nacionais e internacionais. Encontram-se em fase de desenvolvimento módulos que permitem a integração da BDTD com os sistemas brasileiros para avaliação e fomento à pós-graduação – DataCapes e Lattes – e, em nível internacional, com a Networked Digital Library of Thesis and Dissertations (NDLTD), mantida pela Virginia Tech.
(Fonte: IBICT)