FEEMA-RJ SE MOBILIZA PARA RECUPERAÇÃO DE ANDARES ATINGIDOS POR INCÊNDIO

O presidente da Feema – Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente, Paulo Coutinho, anunciou na quarta-feira (11) que o órgão encaminhou para aprovação do Fecam – Fundo Estadual de Conservação Ambiental, um projeto visando à recuperação dos cinco andares da instituição atingidos pelo incêndio ocorrido na Edifício Pedro Ernesto, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro (RJ), na semana passada.

Segundo Paulo Coutinho, o projeto prevê a utilização de R$ 6,9 milhões do Fecam para as obras. Desde o incêndio, estão suspensos, no prédio, os serviços da Feema e de outros órgãos públicos que funcionam no local.

Paulo Coutinho também revelou que, como o Edifício Pedro Ernesto pertence à Uerj – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, vai se reunir, nos próximos dias, com a reitora da universidade para a busca, em conjunto, de outra alternativa para a recuperação do prédio, que compreenderá a reforma dos elevadores e dos sistemas elétrico e hidráulico.

Enquanto a recuperação do prédio não acontece, os principais serviços da Feema estão funcionando em locais diferentes. “O governo está fazendo tudo para a órgão voltar a funcionar em um único local. Mas a Feema também é um órgão da sociedade. Contamos com o apoio de todos para o fim deste período de emergência”, disse Paulo Coutinho.

O serviço de concessão de licenças ambientais está funcionando na sede da associação de funcionários da fundação, também na Rua Fonseca Teles. Segundo Paulo Coutinho, que reafirmou que nenhum processo de licenciamento foi atingido pelo fogo, foram entregues, nos últimos dias, as licenças referentes aos processos que já estavam em fase de conclusão, e a prioridade agora é para casos de emergência.

“A fiscalização está totalmente operante, assim como o monitoramento da qualidade da água e do ar. Todo o material de coleta do monitoramento das praias foi tirado do 14º andar e levado para o laboratório da Feema em Jacarepaguá. O SPA – Serviço de Poluição Acidental também passou para a unidade de Jacarepaguá”, revelou o presidente da Feema, acrescentando que, hoje, técnicos do SPA fizeram uma saída e constataram que o dique da companhia Mercantil Ingá, na Zona Oeste, não corre riscos devido às chuvas.

O laudo do Instituto de Criminalista Carlos Éboli sobre as causas do incêndio ainda não ficou pronto. Na última quinta-feira um técnico esteve no prédio, para concluir a perícia. Segundo Paulo Coutinho, o resultado da investigação será revelado dentro de 15 dias.
(Fonte: Ascom Gov. do Rio de Janeiro)