CRIADOUROS PODEM SER USADOS NO TRÁFICO DE ANIMAIS

Os criadouros científicos são os principais indutores do tráfico de animais no Brasil. A afirmação é do presidente da Comissão que investiga o comércio ilegal de animais e plantas silvestres na Câmara, deputado Luiz Ribeiro (PSDB-RJ).

Durante audiência pública ocorrida hoje, o deputado constatou que há dúvidas sobre a existência de criadouros científicos brasileiros que atuem de forma legal e que há indícios claros da ligação do comércio ilegal de animais com o tráfico de drogas.

ROTA DO TRÁFICO

No Brasil, informa ele, o tráfico de animais movimenta em torno de US$ 3 bilhões. A CPI está traçando uma rota do tráfico, desde o momento que o animal é apreendido até o destino final. “Se fossem vendidos os 450 animais apreendidos, no último fim de semana, pela CPI e pelo Ibama em Rio Grande, no Rio de Janeiro, seriam arrecadados R$ 3 milhões.

O presidente da Comissão revela que o relatório final da CPI surpreenderá pelos nomes de pessoas conhecidas nacionalmente que estão envolvidos com o tráfico de animais. “São pessoas cujos nomes vão espantar o Brasil. Vamos trazer ao conhecimento da sociedade brasileira uma hipocrisia muito grande que existe de pessoas acima de qualquer suspeita. Antes do relatório, vamos apresentar os nomes dessas pessoas e dizer o que eles fazem”.

O relatório final da CPI do tráfico de animais e plantas silvestres deverá ser votado no dia 28 de janeiro.

A Comissão ouvirá o ator Victor Fasano, dono de criadouro de animais. Na audiência marcada para as 14h30, no plenário 7, também serão ouvidos os depoimentos dos criadores de animais Carlos Gasparian Keller, Panta Alves dos Santos e Nascimento Gonçalves. Na sexta-feira, novas diligências serão feitas pela CPI em São Paulo.(Agência Câmara)