OMS tenta evitar epidemias causadas por tsunami

Não fossem as quatro telas inteligentes de plasma gigantes nas paredes e a série de computadores e telefones, haveria muito pouco para indicar que este é o centro de crises da OMS – Organização Mundial da Saúde em Genebra (Suíça).

Consultores técnicos e especialistas em logística trabalham calmamente dia e noite reunindo informações sobre os locais onde doenças ameaçam concretizar sua tarefa mortal (na área atingida pelo tsunami na Ásia).

É daqui que foram enviados médicos e técnicos de apoio num período de poucas horas. Porém, o problema está sendo passar pela linha-de-frente.

Eles a chamam de sala Shoc -o centro estratégico de operações de saúde. Sua presença despretenciosa esconde o fato de que, nos bastidores, o Pentágono, ministros de Saúde de todo o mundo e trabalhadores de campo estão em constante contato com especialistas de saúde aqui, avaliando a situação nas áreas atingidas pelo maremoto.

David Nabarro, que comanda a equipe de crise, diz que centros com este fazem parte dos procedimentos-padrão para reagir a grandes emergências de saúde pública. Uma estratégia parecida foi utilizada para o combate às epidemia de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e da gripe do frango.

Confiando em rumores

Nabarro disse que este tipo de centro revolucionou a habilidade da OMS de montar uma resposta rápida -e assim salvar mais vidas mais rapidamente. Ele elogia a atitude da OMS, assim como algumas grandes agências de ajuda humanitária, de ter mais colaboradores -e não ser simplesmente um gigante administrativo trabalhando com governos para apoiar sistemas de saúde em decadência.

Assim, em poucos dias de devastação causada pelo tsunami que atingiu o sul da Ásia, a OMS distribuiu kits de emergência para dois milhões de pessoas na região. Eles contêm remédios essenciais e líquidos para reidratação -suprimentos suficientes para três meses e equipamento cirúrgico para realizar mais de 10 mil operações.

Os dados que chegam à sala de controle sobre a propagação de infecções dão apenas uma idéia limitada do que está ocorrendo nos locais afetados.Porém, eles revelam que os especialistas estão vigilantes. E em algumas áreas de Aceh, a infra-estrutura de saúde desapareceu, portanto não existe mecanismo formal para transmitir informações para o centro.

A OMS é forçada a confiar nos rumores dos sobreviventes e nos relatos dos soldados para ter uma idéia do que está ocorrendo nos locais afetados e a prioridade agora é estabelecer rapidamente um sistema de alerta de epidemias de doenças na região.

Existem notícias tranqüilizadoras de que a tão temida epidemia de cólera não atingiu até o momento os 5 milhões de desabrigados, mas não existe espaço para complacência. Com estoques de vacinas contra cólera suficientes para apenas 200 mil pessoas, a prioridade é levar água potável para evitar a explosão da doença. Cada dia sem água potável é um dia em que a epidemia pode se espalhar. (Karen Allen / BBC Brasil)

Email this page
Esta entrada foi escrita emClipping e tags
  • forum
  • imprimir
  • word
  • pdf
  • rss
  • twitter
  • facebook
  • digg
  • myspace
  • stumbleupon
  • aim
  • blinklist
  • blogger
  • blogmarks
  • buzz
  • connotea
  • delicious
  • diigo
  • fark
  • friendfeed
  • furl
  • google
  • linkedin
  • live
  • livejournal
  • magnolia
  • mixx
  • netvibes
  • netvouz
  • newsvine
  • propeller
  • reddit
  • slashdot
  • technorati
  • yahoo
  • forum
  • imprimir
  • word
  • pdf
  • rss
  • orkut
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5