Sistema Paraguai-Paraná de Áreas Úmidas será tema de oficina no Fórum Social Mundial

Com a finalidade de discutir uma nova e criativa integração entre os países do Sistema Paraguai-Paraná de Áreas Úmidas, para elaboração de um planejamento que promova a conservação e a melhoria da qualidade de vida das comunidades
tradicionais, será realizada a oficina “Sistema Paraguai-Paraná de Áreas Úmidas: Construindo um Programa de Sustentabilidade”, no dia 29 de janeiro,
na sala E 502, às 12h no Fórum Social Mundial.

A oficina será um espaço de articulação entre diversos setores, promovendo a identificação de estratégias para a construção de um “Programa de
Sustentabilidade do Sistema Paraguai-Paraná”. Estarão participando das discussões: pesquisadores, setores governamentais, sociedade civil e diversos
representantes do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai, entre outros.

Através das apresentações e debates, pretende-se ampliar o intercâmbio de informações e identificar experiências positivas para garantir o desenvolvimento de alternativas sustentáveis que terão papel fundamental na construção deste Programa. A oficina também fortalecerá a comunicação e conseqüentemente facilitará a construção de sinergias entre os atores.

Sistema de Áreas Úmidas Paraná Paraguai – É o maior sistema hídrico da América do Sul depois do Amazonas e uma das maiores reservas de água doce do mundo, abrangendo Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. O Sistema se estrutura ao longo de mais de 3.400 quilômetros quadrados de rios livres de represas nos rios Paraguai, Paraná Médio e Inferior. O Pantanal, que está localizado na BAP – Bacia do Alto Paraguai, faz parte desse Sistema que corre de Norte a Sul no Vale Central, dentro da Grande Depressão da América do Sul ou Depressão Subandina da Bacia do Prata. Aproximadamente 20 milhões de pessoas vivem neste sistema, constituindo uma unidade hidrológica, ecológica, cultural e populacional.

Abriga populações indígenas, comunidades tradicionais e ribeirinhas, além de grandes centros urbanos como Assunção (PY) e Buenos Aires (Argentina). Estes fatores aumentam a necessidade de um planejamento integrado que garanta a sustentabilidade do Sistema e suas comunidades. A região tem extraordinário valor ecológico e econômico, com uma variedade morfológica, climática, biodiversidade, qualidade de solos, recursos aquáticos e diversidade cultural, de características singulares. Muitas áreas ao longo deste Sistema são reconhecidas como Sítios Ramsar, Reserva da Biosfera, Patrimônio Natural da Humanidade, entre outras.

Mais informações podem ser obtidas no site Rios Vivos, ou pelo e-mails: rnicola@riosvivos.org.br e patrícia@riosvivos.org.br. (Ascom Rios Vivos.org)