ONU traça plano de ação contra desastres naturais

Uma conferência convocada pela ONU – Organização das Nações Unidas adotou um plano de ação para diminuir o número de mortos e feridos e os prejuízos causados por desastres naturais, como o tsunami que atingiu o sudeste da Ásia.

Delegados de todo o mundo, reunidos em Kobe, no Japão, chegaram a um acordo sobre a necessidade de se construir sistemas de alarme e tornar prioridade a preparação para desastres. Mas o fórum de cinco dias terminou sem que fossem estabelecidos alvos específicos ou prazos para a implantação do plano.

O terremoto de dezembro na costa da Indonésia e o conseqüente tsunami mataram mais de 220 mil pessoas.

Alerta – Depois da maratona de reuniões, os delegados chegaram a um acordo sobre o texto de uma declaração, aprovada no fim da conferência, neste sábado (22). “É vital dar alta prioridade à redução do risco de desastre na política nacional, consistente com os recursos disponíveis”, diz a declaração.

O fórum também chegou a um acordo para pôr a ONU a cargo da construção de um sistema de alerta de tsunamis no Oceano Índico, com começo de funcionamento previsto para 18 meses.

O plano convoca os países a dividir informações sobre previsão do tempo passadas por satélite, fazer mapas de riscos e trabalhar sobre estratégias de resposta a desastres nos próximos dez anos.

Mas o chefe de socorro da ONU, Jan Egeland, reconheceu que o documento final da conferência é simbólico. “As decisões dessa conferência não são obrigatórias, mas possuem um forte compromisso moral de Estados e organizações”, afirmou.

O encontro em Kobe estava planejado para coincidir com o décimo aniversário do terremoto que atingiu a cidade. Mas ganhou nova dimensão depois do tsunami de 26 de dezembro de 2004. (BBC Brasil)