Ambientalistas processam Bush por permitir derrubada de árvores

Vários grupos de defesa do meio ambiente entraram nesta quinta-feira (27), com uma ação judicial num tribunal federal contra a iniciativa do governo do presidente George W. Bush de permitir a derrubada de árvores em parques públicos.

Liderada pelo Sierra Club, a organização ecológica mais tradicional dos Estados Unidos, o grupo entrou com a ação num tribunal de São Francisco, mostrando preocupação com o Monumento nacional das Sequóias-Gigantes, na Califórnia.

George W. Bush acabou com a política de proteção das florestas públicas, permitindo a derrubada comercial no local nativo das sequóias-gigantes, declarado Monumento Nacional pelo governo do então presidente Bill Clinton em 2000.

Assim, qualquer árvore poderá ser derrubada, inclusive sequóias, desde que tenha um diâmetro mínimo de cerca de 70 centímetros. As sequóias desse diâmetro podem ter até 200 anos, segundo denunciaram os ecologistas.

“Em nenhum outro lugar da Terra existem estas magníficas florestas de sequóias gigantes”, afirmou Bruce Hamilton, do Sierra Club. “Não tem sentido o governo de Bush sacrificar este tesouro nacional. E além disso, é ilegal”.

O Monumento Nacional conta com dois terços das reservas de sequóias de todo o mundo, enquanto as outras estão num parque adjacente. “O governo está fugindo de sua responsabilidade de cuidar desta floresta antiga para esta geração e para as próximas”, disse Carla Cloer, da Tule River Conservancy.

Estas organizações pediram ao governo que tome como exemplo o Parque Nacional das Sequóias, que está usando estratégias inovadoras para prevenir os incêndios. Bush propôs há dois anos um controvertido plano que permitiria o corte de árvores com o pretexto de controlar os incêndios florestais.

Os ecologistas temem que as sequóias gigantes, que estão entre as maiores e mais antigas árvores do mundo (algumas têm mais de 3 mil anos), percam o status de proteção total.

Eles também argumentam que este plano atenta contra as leis que regem o Monumento Nacional, já que esta legislação proíbe expressamente que se retirem árvores a menos que seja “claramente necessário para sua manutenção ou para a segurança pública”. (Terra.com)