Ação do Estado acirra conflitos no Pará, diz Nilmário Miranda

O programa “Espaço Aberto”, da Globo News, entrevistou neste domingo (20) o secretário especial dos Direitos Humanos, o ministro Nilmário Miranda, e a coordenadora do programa de política e direito do ISA – Instituto Socioambiental, Adriana Ramos, sobre as disputas de terra no Pará, que culminaram com o assassinato da missionária americana Dorothy Stang.

De acordo com o ministro, a ação do governo na região aumentou os conflitos já existentes. “Com a unidade de conservação feita pela ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, no dia do assassinato da irmã Dorothy e com o anúncio do bloqueio da margem esquerda da BR-163 para essa nova unidade, houve um acirramento dos conflitos”, disse.

Reação – Para Adriana Ramos, a onda de violência no Pará é uma reação à atuação frágil do Estado na região. “Porque ela é uma ação de sinais contraditórios. Por um lado, você tem a criação do projeto de desenvolvimento sustentável das reservas extrativistas, e por outro, você tem um estímulo à exploração madeireira, um estímulo à entrada dos grãos para exportação, que são culturas que vão acuando os trabalhadores rurais e as populações tradicionais”, afirma.

Segundo ela, é importante no momento que o governo defina qual será a prioridade que ele vai dar na região. “O Pará tem agora a oportunidade de mudar esse processo histórico que vem acontecendo de ser o recordista de mortes de trabalhadores rurais.” (Clarissa Mangueira / Estadão Online)