Funasa reforça atendimento a crianças indígenas em Dourados/MS

Sete enfermeiros chegaram nesta sexta-feira (11) a Mato Grosso do Sul para intensificar o trabalho contra a desnutrição de crianças indígenas na região. Na segunda-feira (14), uma nova unidade pediátrica, com 20 leitos, será aberta no Hospital Universitário de Dourados. Seis leitos serão de terapia intensiva (UTI). Somente neste ano, seis crianças morreram em aldeias indígenas vítimas da desnutrição.

Além do trabalho hospitalar, a Funasa – Fundação Nacional de Saúde está avaliando cada uma das crianças da região para descobrir novos casos de desnutrição. Só em Dourados, há seis equipes médicas, cada uma formada por três um médico, um enfermeiro e um nutricionista. Os trabalhos se iniciaram há 16 dias.

Uma das equipes trabalha com crianças até seis meses de vida e uma com aldeias da redondeza, três com consultas de rotina, enquanto a sexta cuida especificamente das crianças em risco nutricional, que já são 140. As famílias dessas crianças estão recebendo cesta básica, leite e a multimistura, para combater a desnutrição. As cestas também estão sendo distribuídas entre famílias sem risco nutricional – 329 já receberam.

Na sexta-feira, equipes de saúde estão avaliando 200 crianças do município de Tucuru. Na quinta-feira (10), 600 crianças de Paranhos foram examinadas; na quarta, 400 meninos de Iguatemi. Neste sábado (12), as equipes estiveram em Kaapó.

As atividades são consideradas de emergência. A longo prazo, serão necessários “projetos estruturantes para a questão da terra e ocupações, pois muitos indígenas estão desempregados”, disse o coordenador das ações da Fundação em Dourados, Antonio Fernandes, assessor do gabinete do Departamento de Saúde Indígena do órgão.

O Cimi – Conselho Indigenista Missionário não acredita em resultados a curto ou médio prazo. Segundo a assessoria de imprensa do Cimi, a situação em Dourados só será resolvida quando os problemas de terra forem sanados. (Radiobrás)