Reprodução de peixes aumenta em 50% no rio Paraná

A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, por meio do IAP – Instituto Ambiental do Paraná, anunciou nesta segunda-feira (14) o aumento em 50% da reprodução dos peixes, no rio Paraná. “As avaliações técnicas da Secretaria indicam que um fenômeno como esse não acontecia há mais de cinco anos no Estado”, declarou o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida.

A Secretaria atribui o aumento do índice de reprodução às fortes chuvas que atingiram a cabeceira do rio Paraná no final de 2004. De acordo com o engenheiro de pesca do escritório regional do IAP de Toledo, Taciano Maranhão, “as chuvas causaram cheias que alagaram banhados e ilhas, ampliando a extensão dos locais onde as espécies poderiam se reproduzir”.

Taciano destacou que a população deve colaborar com o desenvolvimento dos alevinos, não os capturando ou devolvendo-os ao rio quando pescados – para possibilitar a maturação e desenvolvimento das espécies. “A expectativa é de que nos próximos dois anos o número de peixes no rio Paraná e seus afluentes dupliquem em conseqüência deste aumento na reprodução”, completou Taciano.

Proibição da pesca – No último dia 28 de fevereiro chegou ao fim o período de piracema, quando fica proibida a pesca nos rios que nascem e terminam dentro do Paraná para proteger a reprodução dos peixes.

Apesar da liberação da pesca, a atividade é proibida permanentemente em alguns rios do Estado. Os rios em que a pesca profissional e pesca amadora embarcada continuam proibidas são (com as respectivas regiões onde estão localizados): Piquiri, região Oeste; Ivaí, região Central e Noroeste, das Cinzas e Tibagi, na região Norte e São Francisco (Oeste).

De acordo com Rasca Rodrigues, presidente do IAP, a pesca permanece proibida porque o estoque pesqueiro destes rios não suporta a pesca profissional com rede. “Iremos começar um trabalho de diagnóstico da capacidade de suporte para a pesca dos principais rios do Estado”, antecipou Rasca. O objetivo deste trabalho será promover o desenvolvimento sustentável de rios e espécies, sem comprometer a atividade pesqueira. (Ascom Sema-PR)