Protesto contra transposição do rio São Francisco reúne 1 mil pessoas

Mesmo com uma liminar da Justiça Federal proibindo o bloqueio da ponte sobre o rio São Francisco, na BR-101, entidades contrárias ao projeto de transposição do rio dos Estados de Alagoas e Sergipe reuniram nesta terça-feira (22) cerca de mil pessoas no local, numa manifestação para marcar o Dia Mundial da Água. A ponte faz a ligação entre os municípios de Porto Real do Colégio, em Alagoas, e Propriá, em Sergipe. É o principal acesso rodoviário entre os dois Estados.

O Projeto de Integração do rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional prevê a captação das águas do rio em dois pontos situados acima dos dois Estados. Entidades de Alagoas e Sergipe consideram que serão prejudicados pelo projeto.

Nas vésperas da manifestação, a União, por meio da Advocacia Geral em Sergipe, ingressou na Justiça Federal com uma ação de interdito proibitório, com pedido de liminar, para impedir o bloqueio da rodovia, que foi concedida pelo juiz Ricardo Mandarino, da 1ª Vara Federal.

“O direito à manifestação não significa direito à imposição de opinião, posto não haver, na hipótese relativa à transposição do rio São Francisco, opinião única. Pelo contrário, há uma grande controvérsia, a partir do Estado de Minas Gerais até o Nordeste, sobre a correção ou não da transposição”, segundo um trecho da liminar.

O projeto de transposição do São Francisco é a maior obra federal prevista para este ano. Segundo o vice-presidente da seccional da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil de Alagoas, Everaldo Patriota, que participou do ato, foi feito um acordo com a PRF – Polícia Rodoviária Federal para que os manifestantes fizessem uma caminhada sobre meia pista da ponte, sem bloqueá-la. Segundo a PRF, o protesto durou cerca de 30 minutos e não chegou a causar transtornos para os motoristas. (Silvia Freire/ Folha Online)