Coleta seletiva de lixo cresce 38% no país

A coleta seletiva de lixo cresceu 38% no Brasil nos dois últimos anos, mas ainda atinge apenas 6% das cidades do país (327). Do total de cidades com programas de coleta estruturados, 85% (279) estão nas regiões Sul e Sudeste. Os dados são da pesquisa Ciclosoft 2006 do Cempre (Compromisso Empresarial pela Reciclagem), entidade sem fins lucrativos fundada em 1992 e mantida por 22 empresas privadas de diversos setores.

De acordo com o levantamento, como a coleta seletiva está presente em muitos dos municípios mais populosos do país, cerca de 25 milhões de brasileiros têm acesso a esses programas – o que não significa que estejam engajados neles.

Cooperativas

Do total de programas, 43,5% mantêm relação direta com cooperativas de catadores. “Essas parcerias, que estão crescendo no país, oferecem melhores condições de operação às cooperativas e reduzem o custo da coleta para as prefeituras”, disse o diretor-executivo do Cempre, André Vilhena.

A primeira pesquisa do Cempre sobre o tema é de 1994. Naquele ano, o custo médio da coleta seletiva de uma tonelada de lixo era de US$ 240 (R$ 523, pela cotação de anteontem). Em 2002, com aumento da eficiência dos programas de reciclagem, esse custo caiu para US$ 70 (R$ 152). Em 2004, no entanto, o custo da coleta seletiva subiu para US$ 114 (R$ 248) a tonelada, e US$ 151 (R$ 329), em 2006.

Para o Cempre, isso se deve ao aumento da coleta informal por sucateiros e catadores autônomos, o que reduz a produtividade dos programas. “Está havendo desvio crescente de recicláveis colocados nas calçadas”, disse Vilhena.

Segundo o Cempre, a coleta seletiva de lixo no Brasil é cinco vezes mais cara do que a coleta convencional – em 1994, era dez vezes mais cara. Isso porque envolve logística específica (sem o uso de caminhões compactadores, por exemplo) para volumes menores de coleta.

Estados e cidades

Pelo levantamento do Cempre, São Paulo é o Estado que tem mais cidades com coleta seletiva de lixo: são 114. Em seguida estão o Rio Grande do Sul, com 40 cidades; o Paraná com 39; Santa Catarina com 33 e Minas Gerais com 28. As cidades que têm 100% da população atendida pela coleta seletiva são Santos, no litoral sul de São Paulo, Santo André (SP), Itabira (MG), Curitiba (PR) e Londrina (PR).

No Rio de Janeiro, por exemplo, a população atendida pela coleta seletiva é 25%. A pesquisa não traz o índice de São Paulo em 2006 – em 2004, esse índice era de 30%. A paranaense Londrina é uma das cidades com maior escala de coleta seletiva do país – são 1.080 toneladas por mês. Conta com 27 ONGs que recolhem o lixo reciclável, separado pela comunidade, em todas as regiões da cidade. Cerca de 500 famílias são beneficiadas pela atividade e ganham, em média, R$ 500 por mês.

Para Vilhena, a coleta seletiva no Brasil está à frente da de outros países em desenvolvimento, como China, Rússia e México. Ainda assim, ele destaca problemas como baixa capacitação dos profissionais de limpeza urbana, escassez de recursos e resposta lenta da população aos investimentos na área.
(Fonte: Thiago Guimarães / Agência Folha)

Email this page
Esta entrada foi escrita emClipping e tags
  • forum
  • imprimir
  • word
  • pdf
  • rss
  • twitter
  • facebook
  • digg
  • myspace
  • stumbleupon
  • aim
  • blinklist
  • blogger
  • blogmarks
  • buzz
  • connotea
  • delicious
  • diigo
  • fark
  • friendfeed
  • furl
  • google
  • linkedin
  • live
  • livejournal
  • magnolia
  • mixx
  • netvibes
  • netvouz
  • newsvine
  • propeller
  • reddit
  • slashdot
  • technorati
  • yahoo
  • forum
  • imprimir
  • word
  • pdf
  • rss
  • orkut
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5