Distrito Federal e Entorno ganham instrumento para gestão territorial

Durante as comemorações do Dia Nacional do Cerrado (11 de setembro), o Ministério do Meio Ambiente lança o ZEE – Zoneamento Econômico Ecológico da Ride/DF – Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno. O objetivo é fornecer as informações territoriais necessárias para a gestão dos municípios, dos estados e do governo federal. O lançamento será nesta segunda-feira (11), às 14h, no auditório do Ministério da Cultura, e contará com a presença da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e de representantes dos governos federal, estaduais de Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal, da sociedade civil e dos municípios que compõem a Ride/DF.

A Ride/DF foi criada por lei complementar em1988 e é formada pelo Distrito Federal, por 19 municípios de Goiás e três de Minas Gerais. Com a implementação do ZEE da Ride/DF será possível diagnosticar as limitações e potencialidades da região e propor diretrizes para o uso do território, para a proteção e recuperação ambiental.

Com este instrumento, a sociedade civil poderá atuar na gestão participativa do território em conjunto com a Agenda 21 Local. Para o gerente do ZEE da Ride/DF, Antônio Gutemberg, é fundamental capacitar recursos humanos nos municípios para a manipulação das informações produzidas. “Não basta democratizar a informação sem a disponibilização de instrumentos que permitam aos cidadãos o pleno uso e atualização das mesmas”, afirma.

Segundo Gutemberg, a base de informação territorial que será lançada pode ser considerada o primeiro e mais importante passo para definir com maior eficácia um novo patamar de subsídios à formulação de políticas de planejamento e de investimentos para atingir um desenvolvimento regional sustentável.

O ZEE da Ride/DF disponibilizará informações de base cartográfica, mapeamentos sobre recursos naturais (água, vegetação, solo, rocha), sobre a população (habitação, família, saúde, infra-estrutura), a organização do território (as zonas urbana e rural, as unidades de conservação, as vias de circulação), as atividades econômicas (agropecuária, mineração, indústria) e os aspectos político-institucionais (política pública, organização político-administrativa) entre outras. (Aida Feitosa/ MMA)