Guerra nuclear devastaria o ambiente mundial, segundo estudo

Um novo estudo sobre os impactos de explosões nucleares mostra que uma guerra nuclear, mesmo em pequena escala, poderia rapidamente devastar o clima e ecossistemas do mundo, trazendo conseqüências para todos os habitantes que durariam mais de uma década.

Os estudos, apresentados na terça-feira (12) em uma reunião da União de Geofísicos da América, em São Francisco (EUA), são os primeiros levantamentos quantitativo das conseqüências de conflitos nucleares de pequena escala. Entre 50 e 100 bombas – apenas 0.03% do arsenal mundial – poderiam espalhar poeira radioativa suficiente para criar anomalias climáticas sem precedentes na história humana, relatam os pesquisadores.

“Países como Paquistão, Índia e Coréia do Norte, que tem potencial para detonar 50 pequenas armas nucleares, são tão perigosos como a União Soviética costumava ser (durante a Guerra Fria). Eu acho que os políticos de todo o mundo precisam prestar muita atenção no caminho que estamos trilhando”, disse o professor Owen Toon, presidente do Departamento de Ciências Oceânicas da Universidade do Colorado-Boulder.

De acordo com a pesquisa, dez milhões de pessoas morreriam, as temperaturas globais entrariam em colapso e nenhuma plantação sobreviveria nos cincos anos seguintes ao conflito.

A camada de ozônio, que protege a superfície da Terra dos raios ultravioletas, seria destruída em 40% sob muitas áreas habitadas e em mais de 70% nos pólos. “Armas nucleares são o grande perigo ambiental do planeta para os humanos, não o aquecimento global ou a destruição da camada de ozônio”, afirma o co-autor do estudo Alan Robock ao jornal inglês Guardian Unlimited.

A equipe de pesquisadores chegou a este fatos através de simulações em um programa de computador originalmente criado para entender as mudanças climáticas causadas por vulcões.

Resfriamento forçado – O Segundo estudo, chamado “Conseqüências climáticas de conflitos nucleares regionais”, aponta os efeitos da fumaça produzida em uma guerra local entre nações subtropicais. Um resfriamento em vários graus centígrados, por exemplo, ocorreria em enormes áreas da América, Europa e Ásia, incluindo muitas regiões de cultivo de grãos.

Os cientistas compararam os efeitos deste conflito com a erupção do vulcão Tambora na Indonésia em 1815, a maior nos últimos 500 anos e que desencadeou o “ano sem verão”. Mortes por congelamento, perda de colheitas e falta de comida marcaram 1816.

Armas Nucleares no mundo – Atualmente existem 30 mil dispositivos nucleares no mundo, sendo que 95% estão nos Estados Unidos e Rússia. Além disso, cerca de 40 países possuem matéria nuclear bruta (plutônio e urânio) suficiente para fazer mais de 100 mil armas. Em outubro, a Coréia do Norte realizou testes nucleares, quebrando um acordo moral de cerca de uma década.

Na semana passada, foi a vez do Paquistão testar a última versão de um míssil nuclear de curto alcance. O teste, terceiro em três semanas, fez parte de um exercício de treinamento do Comando de Força Estratégica do exército paquistanês. No dia anterior, o Congresso dos Estados Unidos aprovou uma legislação que permite o transporte de combustíveis nucleares via navio para a geração energética na Índia, vizinha do Paquistão. (CarbonoBrasil)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5