Dois anos após tragédia, Indonésia faz simulação de tsunami

Mais de 15 mil voluntários participaram nesta terça-feira (26) de exercícios de emergência em meio à simulação de um tsunami na ilha turística de Bali, no mesmo dia em que faz dois anos que uma onda gigante destruiu o norte de Sumatra.

Segundo a cadeia de rádio indonésia Elshintia, as vítimas lembram o segundo aniversário da catástrofe na região de Aceh (norte de Sumatra) indo às mesquitas e cemitérios. Em Bali, a população é preparada para reagir com rapidez a uma tragédia similar à que matou mais de 170 mil pessoas no país em 2004.

Milhares de voluntários participaram do exercício de alerta de tsunami organizado na turística ilha de Bali, para onde muitos estrangeiros viajam nesta época para desfrutar as festas de fim de ano na praia.

A simulação começou por volta das 11 horas (2 horas de Brasília) na praia de Pantai Sindu, na localidade de Sanur, onde houve também um show, para atrair a participação de voluntários no exercício.

Durante o evento, simulou-se um tremor, que foi seguido por alarmes de alerta, que fizeram com que os milhares de participantes corressem para dentro da ilha, afastando-se da costa.

Os voluntários atuaram como se tivessem recebido o impacto de um terremoto de 6,8 graus de magnitude na escala Ritcher, enquanto as autoridades emitiam pelo rádio avisos continuados de que a onda gigante voltaria várias vezes.

Os milhares de voluntários evacuaram a praia de forma ordenada e reuniram-se em lugares seguros afastados da fúria das supostas ondas Gigantes.

O exercício foi dirigido pela Unidade Executiva de Desastres da Prefeitura de Denpasar (capital provincial). Treze instituições participaram da organização, incluindo a Cruz Vermelha da Indonésia, a Agência Nacional de Desastres (Bakornas), a Polícia e as Forças Armadas.

O objetivo era testar novos aparelhos de alerta e lembrar à população que catástrofes como a que assolou há dois anos a costa de 12 países banhados pelo Índico podem se repetir. Por isso, é preciso estar preparado para reagir a estas situações de emergência.

Por enquanto as autoridades não avaliaram o êxito do exercício, que foi ativado d capital indonésia, Jacarta, onde o centro de alerta enviou um sinal de alarme a rádios situadas ao longo da praia de Bali. (Efe/ Estadão Online)