Cientistas criam bovinos resistentes ao mal da vaca louca

Uma equipe de pesquisadores dos EUA e do Japão projetaram vacas geneticamente modificadas e livres das proteínas que causam o mal da vaca louca. Segundo eles, a descoberta é um atalho para imunizar os animais dessa doença danificadora do cérebro.

Retirando células da pele de bovinos, os cientistas identificaram e desligaram o gene que produz os príons, proteína com capacidade de modificar outras proteínas tornando-as cópias de si própria. Com essas células, eles produziram doze bezerros clonados.

Para o experimento, três animais foram abatidos e tiveram seus cérebros analisados. Segundo os pesquisadores, a doença não se firmou no tecido cerebral de duas vacas quando elas foram expostas aos príons “maus”.

“Esta pesquisa é um grande passo para o uso de biotecnologia nos animais que beneficiam os consumidores”, disse barbara Glenn, da Organização da Indústria de Biotecnologia, um grupo de Washington membro da equipe de pesquisadores.

Especialistas afirmam que o trabalho pode oferecer um nível de segurança maior às pessoas preocupadas com carne infectada. No entanto, qualquer comida derivada de mudanças genéticas precisa ser aprovadas pela FDA (órgão regulador de remédios e alimentos nos Estados Unidos).

Agora, as vacas estão sendo expostas diretamente à doença. O objetivo é ter certeza de que o gado está imune a ela. O resultado final da pesquisa será conhecido até o final deste ano, de acordo com o grupo. (AP/ Terra)