Índia kaiowá é assassinada durante invasão de fazenda

A índia guarani-kaiowás, Xurete Lopes, de 50 anos, morreu nesta terça-feira (9) durante confronte entre um grupo de seis a oito homens brancos armados e 180 indígenas de mesma etnia, que invadiram a Fazenda Madama. O imóvel com 2.400 hectares de área, localizado na região do Curussu Ambá, entre os municípios de Amambai e Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul, está sendo reivindicado pelos quase 800 kaiowás da Aldeia Jaguapery, vizinha da fazenda.

Na sexta-feira (5), eles chegaram ao local, no extremo sul do Estado, armados com arcos, flechas, facões e invadiram a propriedade rural. Na segunda-feira (8), o líder da invasão, cacique Francisco Fernandes, de 38 anos, foi preso sob acusação de ter roubado um trator do imóvel. Segundo outros membros da liderança, os agressores aproveitaram a ausência do “comandante” e entraram na propriedade rural disparando tiros contra os invasores.

A maioria dos índios deixou o local e fugiu para as matas. Os restantes foram transportados em um caminhão não identificado, até as proximidades da aldeia. No mesmo veículo, estavam a índia assassinada e o índio Valdeci Ximenes, de 22 anos, ferido com um tiro na perna direita. Ele e mais quatro feridos leves foram atendidos no Hospital Municipal de Coronel Sapucaia.

O delegado regional de polícia em Amambaí, Marcelo Batistela Damasceno, que atendeu a ocorrência, suspeita que o capataz da fazenda, cujo nome não revelou, pode ser autor do disparo que matou Xerete. Adiantou que o caso deve ser investigado pela Polícia Federal. (João Naves/ Estadão Online)