Ibama prossegue monitoramento e fiscalização do mexilhão-dourado no rio Uruguai

Em prosseguimento às atividades de monitoramento do mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei), o Ibama/RS realiza uma série de procedimentos junto às comunidades e pescadores de municípios localizados às margens do rio Uruguai. De segunda-feira (05/02) até sexta (09/02), técnicos dos Núcleos de Fauna, de Educação Ambiental e da Divisão de Controle e Fiscalização vão atuar naquela região mapeando os locais onde o mexilhão for encontrado, fazendo entrevistas e distribuindo folders de orientação.

Há cerca de duas semanas, o Escritório Regional do Ibama em Uruguaiana (que já vem orientando a comunidade sobre procedimentos com relação ao mexilhão-dourado) registrou, pela primeira vez, a existência da espécie exótica invasora na cidade de Barra do Quaraí. Além do registro fotográfico foram coletadas amostras da espécie. O analista ambiental do Núcleo de Fauna do Ibama, Fábio Faraco adverte porém, que até o momento, não há nenhum registro da espécie invasora nas região do rio Uruguai, acima da cidade de Uruguaiana.

No início de novembro de 2006, uma expedição realizada em parceria com equipe da Fiocruz/RJ e University of Hawaii, para averiguar a possibilidade da ocorrência do mexilhão-dourado na região do médio rio Uruguai (fronteira com a Argentina) não encontrou nenhum registro da espécie na extensão de aproximadamente 10 quilômetros do rio entre a cidade de São Borja e a foz do rio Butuí (município de Itaqui).

As ações do Ibama naquela região serão articuladas de três formas conjuntas: caberá ao Núcleo de Educação Ambiental realizar entrevistas e aplicar um questionário sócio-ambiental junto aos pescadores e moradores locais e representantes de instituições públicas, buscando informações sobre possíveis alterações causadas pelo mexilhão-dourado no dia-a-dia da comunidade que utiliza os recursos hídricos para sobreviver, e no meio ambiente.

Também serão preparadas oficinas de multiplicação de capacitadores e distribuídos folders explicativos. Já o analista ambiental do Núcleo de Fauna vai confirmar a presença da espécie invasora, e propor ações para manejo e monitoramento do mexilhão-dourado. E finalmente, caberá ao técnico da Divisão de Fiscalização levantar todos os pontos de ocorrência e criar um sistema de informações geográficas da região, bem como propor ações de fiscalização com outros órgãos municipais e estaduais de meio ambiente.

Informações e dúvidas sobre o mexilhão-dourado podem ser obtidas com o Núcleo de Fauna, na superintendência do Ibama/RS, por meio do telefone (051) 3211 2636 ou junto com o Chefe do Escritório Regional do Ibama em Uruguaiana, Maurício Souza, fone (055) 3412 3557. (Maria Helena Annes/ Ibama)