Crianças xavantes morrem de desnutrição em Mato Grosso

Dezessete crianças xavantes morreram de desnutrição em uma aldeia ao norte de Mato Grosso durante o ano de 2006 e começo de janeiro deste ano, informou nesta quarta-feira (7) o coordenador da Funai – Fundação Nacional do Índio Edson Silva Beiriz. As últimas mortes por desnutrição de crianças xavantes foram seis casos registrados de janeiro a fevereiro de 2005.

Mato Grosso do Sul, que no começo de 2005 teve ao menos 15 mortes de crianças guaranis e caiuás por desnutrição, contabilizou um caso durante 2006, segundo informou o médico da Funasa – Fundação Nacional de Saúde Zelick Trajber.

A aldeia dos xavantes atingida pela desnutrição está localizada em Alto do Boa Vista (1.100 km de Cuiabá). Um grupo de 680 xavantes disputa com posseiros na Justiça Federal uma área de 175 mil hectares, demarcada pela Funai como terra indígena em 1998.

Atualmente, os índios estão em 30 hectares da terra, cuja área total é ocupada por 3.000 posseiros, informou a Funai.

Mais crianças desnutridas – Beiriz informa em relatório enviado à presidente da Funai que, das 160 crianças xavantes menores de cinco anos, 60 estão desnutridas, sendo 17 em estado grave e “suscetíveis a óbito”.

Conforme Beiriz, após uma reunião com a Funasa em Barras dos Garças (MT), no fim de outubro, uma equipe montou um posto de assistência médica na aldeia para tratar das crianças desnutridas.

A reportagem não conseguiu falar hoje com o diretor da Funasa de Barras dos Garças, Stephano do Carmo. Ele estava viajando a Cuiabá.

O relatório da Funai informa que as cestas de alimentos distribuídas aos xavantes pela Funasa são insuficientes.

Desmatamento – Devido ao desmatamento na terra indígena, ocupada pelos posseiros, os xavantes não têm como coletar frutos do Cerrado, como era o costume da tribo, acrescenta Beiriz.

Outro problema que leva à desnutrição infantil é de ordem cultural. “A tradição dos xavantes é primeiro os adultos se alimentarem e por último as crianças”, aponta o relatório.

A mortalidade infantil entre os xavantes da aldeia é de 235 por mil nascidos vivos, nove vezes maior que o índice nacional brasileiro.

Cestas – O Cimi – Conselho Indigenista Missionário reclamou hoje que o governo de Mato Grosso do Sul “cortou o fornecimento de cestas de alimentos” para 8.000 índios guaranis e caiuás que foram atingidos pela desnutrição em 2005.

Via assessoria, o governador André Puccinelli (PMDB) disse que suspendeu todos os programas de assistência social, incluindo a distribuição das cestas aos índios, para reavaliar e recadastrar os beneficiários. Há suspeita de que pessoas beneficiadas não precisam da ajuda. (Hudson Corrêa/ Folha Online)