Pimenta malagueta é cultivada há milênios, mostra estudo

Novas evidências fósseis mostram que povos pré-históricos das Américas, do sul do Peru ao Caribe, cultivavam variedades de pimenta malagueta milhares de anos antes de Colombo levar o condimento para as mesas do resto do mundo.

Os vestígios mais antigos, até agora, são do sul do Equador, onde famílias temperavam suas refeições com malaguetas cultivadas em casa há 6.100 anos.

A descoberta, descrita na edição desta semana da revista Science, sugere que a agricultura primitiva do Novo Mundo era mais sofisticada do que se supunha.

“Algumas pessoas, que descreveram os hábitos culinários antigos como simples, provavelmente terão de rever suas idéias por causa deste trabalho”, disse a principal pesquisadora envolvida no estudo, Linda Perry, do Museu Smithsoniano de História Natural.

“Isso nos diz muito do que acontecia ao redor da fogueira pré-histórica”, acrescenta a co-autora Deborah Pearsall, que descobriu os sinais de um cozido apimentado em potes da antiga vila equatoriana.

Arqueólogos rastreiam as origens dos alimentos não apenas por conta de curiosidade sobre os hábitos alimentares do passado. A disseminação de um produto agrícola ilustra padrões de comércio e viagens. No Oriente Médio, figos foram domesticados há 11.400 anos. O trigo não veio muito depois. No Novo Mundo, o milho já estava sendo cultivado há 9.000 anos.

Como se rastreia a pimenta, que não deixa sabugo, palha ou outras evidências fossilizadas? Uma dezena de pesquisadores, em sete pontos da América Latina, encontraram grãos microscópicos em mós, potes e montes de lixo. Finalmente, Perry identificou esses microfósseis como resíduos de espécies domesticadas, não silvestres, de malagueta que, em alguns locais, até predatavam a invenção da cerâmica.

Os microfósseis sugerem que pimentas ricas em vitamina C eram usadas em mistura com o milho e outros alimentos, e não apenas como condimento.

Agora, os cientistas procuram a primeira plantação de malagueta das Américas. Ela não pode estar no Equador, muito longe dos locais onde a pimenta silvestre cresce, no Brasil e na Bolívia. (AP/ Estadão Online)