Agência lança projeto de conservação da mata Atlântica

A Aeci – Agência Espanhola de Cooperação Internacional iniciou um projeto na Argentina, Brasil e Paraguai para a conservação da Mata Atlântica, uma das regiões de maior biodiversidade na América do Sul, mas dizimada pelo abate de árvores e pelo avanço da fronteira agropecuária.

“É uma tarefa muito ampla, com um enfoque que tem muito em conta o aspecto social, pois é preciso abordar o desenvolvimento sustentável e o cuidado com o meio ambiente mas dando opções produtivas ao povo”, disse hoje à Efe Gastón Irazusta, coordenador da Aeci na Argentina para o Projeto Regional Araucária XXI-Mata Atlântica.

O projeto terá duração de cinco anos, até novembro de 2011. A maior parte do financiamento terá fontes espanholas, canalizadas através da Aeci, com um custo de cerca de € 9 milhões.

A iniciativa procura preservar a Mata Atlântica na região do Alto Paraná, melhorando a qualidade de vida da população através do incentivo e desenvolvimento de “atividades alternativas, como o turismo e a agricultura sustentáveis”, explicou Irazusta.

As ações previstas têm um especial interesse pelo trabalho com as comunidades da etnia mbyá guarani que vivem na região e um “enfoque de gênero” para promover a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no acesso e controle dos recursos naturais.

A Mata Atlântica do Alto Paraná abrangia originalmente uma área de aproximadamente 470 mil quilômetros quadrados, da Serra do Mar, no Brasil, até a província de Misiones, no nordeste da Argentina, e o leste do Paraguai. Apresentava uma área coberta por uma floresta contínua, com grande diversidade de animais e plantas.

“Atualmente restam apenas 7% da extensão original, sendo 90% está em Misiones. Por isso, o foco do projeto será a Argentina”, disse Irazusta.

A Mata Atlântica desempenha um importante papel na conservação dos recursos hídricos da região e fica sobre o aqüífero Guarani, uma das maiores reservas mundiais de água doce subterrânea. Na região vivem cerca de 28,5 milhões de pessoas, 40% delas em situação de pobreza.

No Brasil, os parceiros da iniciativa serão o Ministério do Meio Ambiente e as Secretarias do Meio Ambiente dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Autoridades argentinas e paraguaias também vão colaborar.

Uma das iniciativas incluídas no projeto é aumentar a coordenação entre o Parque Nacional do Iguaçu, no Brasil, e seu vizinho na Argentina. Outra sugestão é a criação de um parque binacional que integre o Parque Provincial Moconá (Argentina) e o Parque Estadual do Turvo (Rio Grande do Sul). (Estadão Online)