Antibióticos antigos podem ajudar no combate à tuberculose

Cientistas podem ter descoberto um modo de tratar a tuberculose resistente a medicamentos, usando dois antibióticos antigos e seguros – e os estudos com pacientes doentes podem começar já neste ano.

A tuberculose é uma das doenças que mais mataram ao longo da história, e a doença pulmonar ainda tira a vida de 15 milhões de pessoas a cada ano, no mundo. A bactéria que causa a tuberculose está se tornando imune a diversos tipos de tratamento, um ganho de resistência que se observa mundialmente, mas que é mais acentuado na África e na Ásia.

Uma ameaça emergente é a tuberculose extensamente resistente a medicamentos, ou XDR-TB, que é virtualmente impossível de tratar. Por isso, pesquisadores buscam uma nova abordagem, incluindo um novo olhar sobre velhos remédios.

A bactéria da tuberculose contém uma molécula que torna os antibióticos da família da penicilina inúteis. Mas há substâncias que podem bloquear a ação dessa molécula, chamada beta-lactamase. Uma, chamada clavulanato, é vendida há tempos como parte de uma combinação de medicamentos para crianças.

Cientistas agora estão estudando se a administração de clavulanato pode tornar a tuberculose vulnerável a outros antibióticos – e descobriram, em laboratório, uma combinação que bloqueia o crescimento de 13 versões resistentes da bactéria.

A combinação: clavulanato para derrubar as defesas e um antibiótico da família da penicilina para completar o ataque. A descoberta é descrita na edição desta semana da revista Science.

O que funciona no laboratório pode não funcionar no organismo humano. Ainda assim, os resultados foram tão impressionantes que duas equipes de cientistas, dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA e do Centro Médio Montefiore, de Nova York, já planejam pequenos estudos em pacientes humanos, na África do Sul e Coreia do Sul. (Fonte: Estadão Online)