Brasil quer aumentar produção de álcool em 150% até 2017, diz ministro

O Brasil aumentará sua produção de álcool em 150% até 2017 e se consolidará como o principal exportador mundial desse biocombustível, superando os Estados Unidos, indicou nesta quinta-feira (19) o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, em Viena (Áustria).

“A produção brasileira de álcool crescerá 150%, passando de 25 bilhões de litros em 2008 a 64 bilhões de litros em 2017”, afirmou Lobão em um seminário sobre energia organizado em Viena pela Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

“Em 2017, o Brasil pretende exportar 8 bilhões de litros de álcool, contra 5 bilhões em 2008, consolidando-se como o maior exportador de álcool do mundo”, acrescentou.

Entre 2008 e 2017, Brasil visa a investimentos de energia no montante de US$ 352 bilhões US$ 146 bilhões na área de petróleo e gás natural, US$ 83 bilhões em energia elétrica e US$ 23 bilhões em biocombustíveis, acrescentou.

O ministro defendeu a produção de biocombustíveis em seu país e insistiu que isso não coloca em perigo a segurança alimentar.

“A quantidade de terra utilizada para cultivar a cana-de-açúcar é de 0,8% da área total do país, ou menos de 2% de sua área cultivada. A produção de álcool do Brasil está longe de competir com a produção de alimentos”, afirmou.

O Brasil conseguiu em fevereiro elevar sua produção de petróleo a 2,25 milhões de barris diários e deseja aumentar sua oferta a 3,5 milhões de b/d para se converter num exportador de petróleo, recordou Lobão.

“Em fevereiro, conseguimos produzir 2,25 milhões de barris diariamente, mas consumimos tudo o que produzimos. O país quer se converter num exportador de petróleo e derivados, o que o fará passar de uma produção de 2,25 milhões de barris diários para um volume superior a 3,5 milhões de barris por dia”, indicou. (Fonte: Folha Online)