Jardineiro transforma cercas vivas em figuras e monumentos do DF

O fícus é a planta que serve de matéria-prima usada pelo jardineiro Humberto de Castro para reproduzir pontos turísticos de Brasília e outros cenários nas cercas vivas do Lago Sul, bairro nobre da capital. Entre as obras, a Catedral de Brasília, o Congresso Nacional, uma baiana e até um gênio saindo de uma lâmpada. E a inspiração veio de um filme americano.

“Quando eu assisti ‘Edward Mãos de Tesoura’ pela primeira vez, tive certeza que sabia fazer aquilo. Na época eu ainda era criança e disse pra todo mundo que sabia. Muita gente achou que eu estava louco, e que eu nunca tinha nem visto uma tesoura na minha vida”, conta o jardineiro.

As obras do ‘artista’ têm chamado a atenção de quem passa, seja de carro ou a pé. “Chamou minha atenção e com certeza vai chamar a atenção de quem passar”, diz o agente patrimonial Ednaldo Nunes. “É uma arte. Um dom que Deus deu a ele. Então, ele tem que colocar em prática. Além disso, é um trabalho lindo”, afirma a estudante Evanilda da Silva Souza.

E se no cinema a rapidez das tesouradas deixava as pessoas perplexas, Humberto também não deixa por menos. Abusa da velocidade usando um par de patins, e molda a folhagem enquanto se movimenta.

“Toda vez que eu olho para uma árvore, já vejo a escultura. Na verdade, já estava tudo no lugar. Todo dia eu passava e admirava as figuras. Como as outras pessoas não podiam ver, cortei as folhas que atrapalhavam a visão delas”, brinca o jardineiro. (Fonte: G1)