“Sedentarismo” fez dinossauros crescerem

Uma nova teoria para explicar por que os dinossauros eram gigantes afirma que a abundância de comida associada a um baixo gasto de energia é que fez o tamanho desses animais evoluir. Com algumas diferenças de conceito, é mais ou menos o mesmo efeito que faz o sujeito que passa os dias na frente da TV se entupindo de guloseimas calóricas.

O modelo matemático criado por Brian McNab, da Universidade da Flórida em Gainesville, explica também as diferenças de tamanho entre os animais de hoje, procurando dizer porque baleias e elefantes, por exemplo, são tão grandes.

“A quantidade de recursos disponível estabelece a máxima entrada de energia, e o modo como essa energia é usada determina o tamanho do corpo”, disse McNab à Folha.

“Por exemplo, mamíferos usam uma grande fração da sua entrada de energia para a manutenção do corpo, especialmente produção de calor e regulação de temperatura, portanto menos energia está disponível para crescimento. Nos dinossauros, condições opostas existiam. Eles usavam mais energia para o crescimento e menos para a manutenção do corpo.”

McNab – que já trabalhou na Universidade de São Paulo pesquisando o metabolismo de morcego – explica que animais mantêm a temperatura do corpo de duas maneiras básicas: endotermia (“sangue quente”) ou ectotermia (“sangue frio”). Mamíferos e aves são endotérmicos; já peixes e répteis são ectotérmicos, precisam de calor para regular a temperatura.

Uma discussão antiga e polêmica é se os dinos eram endotérmicos ou ectotérmicos. Para McNab, mais importante que a biologia térmica dos dinossauros era a disponibilidade de comida. Segundo ele, a maioria das análises ignora que são os recursos consumidos que, no fundo, controlariam o gasto de energia e o tamanho do corpo.

Os dinos teriam uma temperatura intermediária entre répteis e mamíferos, algo possível pelo grande tamanho. “Uma vantagem do corpo grande é que ele seria termicamente estável sem gastar muita energia”, diz McNab. O tamanho de um animal, afirma, seria governado por um “toma-lá-dá-cá” de fatores como peso, mobilidade e calorias da alimentação. (Fonte: Ricardo Bonalume Neto/ Follha Online)