Tecnologia ajuda no combate à dengue em Pernambuco

Uma das novas armas tecnológicas de combate à dengue é um aparelho, um pouco maior que uma caixa de sapatos, desenvolvido pela Universidade Federal de Pernambuco. Ele faz a contagem dos ovos do mosquito da dengue com a ajuda de um programa de computador. O processo é feito com mais rapidez.

O primeiro passo é instalar as armadilhas. As fêmeas do Aedes aegypti depositam os ovos que indicam os focos de infestação. O problema é contar o total de ovos para identificar os locais mais críticos. É um trabalho cansativo. “Achei 3.912 ovos. Demorou quase meia hora para contar tudo”, diz uma técnica.

Com o novo método, é mais rápido. “Em torno de 30 segundos, você adquire a imagem e em menos de um minuto tem toda a contagem automática”, compara a pesquisadora Marilu Gomes.

A tecnologia também é usada para mapear os focos. Com as coordenadas de satélite, o computador indica o endereço exato dos pontos mais críticos. “A vantagem é a diminuição de gastos e a rapidez nas atividades”, comenta o pesquisador José Constantino Silveira.

Com as informações, os técnicos vão ao alvo certo. Em Santa Cruz do Capibaribe, onde o projeto está sendo testado, o sugador de mosquitos entra em ação.

Foram quatro anos de pesquisas coordenadas pela Fundação Oswaldo Cruz no Recife, para transformar a tecnologia em uma aliada importante no combate à dengue. (Fonte: G1)