Jornal científico corrige estudo sobre espermatozoides

A revista científica Stem Cells and Development se retratou por um controverso estudo que alegava ter criado o primeiro espermatozoide humano a partir de células-tronco embrionárias. O editor da publicação, Graham Parker, disse à revista científica Nature que o trabalho será corrigido, pois dois parágrafos da introdução foram plagiados.

A Universidade Newcastle atribuiu o erro a um pesquisador associado que já deixou a entidade. A universidade ressaltou que o trabalho científico que permeia a pesquisa e seus resultados estavam fora de dúvida.

Os especialistas apontam que a acusação de plágio não necessariamente condena o resto do artigo científico. Porém admitiram que com isso pode aumentar as dúvidas sobre o trabalho.

Parker disse no site da revista que o estudo sobre espermatozoides “está sendo corrigido”. A Nature, porém, citou-o afirmando que metade dos parágrafos introdutórios foram plagiados de um estudo de 2007, do periódico Biology of Reproduction.

“Eu posso entender porque as pessoas podem pensar que, se eles foram descuidados aqui, podem ter sido descuidados em outros pontos”, disse Allan Pacey, secretário da Sociedade para a Fertilidade Britânica. Quando o estudo foi publicado, Pacey já disse não estar convencido de que as células produzidas pudessem ser chamadas com precisão de espermatozoides.

Pesquisadores da Universidade Newcastle e do Instituto de Células-Tronco do Nordeste da Inglaterra disseram que usaram uma nova técnica para produzir o que eles descreveram como células de espermatozoides a partir de células-tronco embrionárias.

Células-tronco têm o potencial de tornarem-se qualquer célula do corpo. O chefe dos pesquisadores de Newcastle, Karim Nayernia, disse em comunicado nesta quarta-feira, 29, que a técnica vai permitir aos pesquisadores estudarem como os espermatozoides se desenvolvem e possivelmente ajudar a desenvolver tratamentos para homens com problemas de fertilidade. (Fonte: Estadão Online)