Com doação de empresário, onça apreendida no AM vai ganhar lar

A onça-parda Shiva, que foi notícia neste portal porque desde pequena vive de forma provisória no centro de triagem animais silvestres do Ibama em Manaus vai finalmente ganhar um lugar definitivo para viver.

Shiva, um macho de dois anos e meio, não pode ser devolvido à natureza porque foi encontrado sem a mãe ainda filhote e nunca aprendeu a caçar. Ao mesmo tempo, como por lei só pode viver em criadouros autorizados, até agora o órgão ambiental não havia conseguido dar uma destinação ao animal, pois seu transporte e manutenção são muito caros. Por isso, há mais de dois anos está num recinto de alvenaria em Manaus, à espera de acomodação.

Após ler a reportagem do Globo Amazônia, um empresário de São Paulo decidiu financiar a construção de um recinto de cem metros quadrados para Shiva no criadouro conservacionista Nex, ONG que cuida de outros dez felinos selvagens em Corumbá de Goiás (GO), a cerca de 80 km de Brasília.

“Atualmente abrigamos dez onças – seis pintadas e quatro suçuaranas – duas jaguatiricas e um gato-maracajá. Gostaríamos de receber todos os felinos, mas priorizamos aqueles que estejam há mais tempo submetidos a situações extremas, que mal têm espaço para se movimentar, que estejam passando privações alimentares e outras barbaridades das quais somos testemunhas”, explica a presidente do Nex, Cristina Gianni. “Assim também é o caso do Shiva, a onça que iremos receber em pouco tempo”.

“Tive um contato pessoal com Shiva em janeiro. Nunca vou esquecer que ele colocou a pata para fora das grades, no meu ombro, como se dissesse: ‘me leva, me tira daqui!’ Ele é manso, dócil, extremamente humanizado e completamente indefeso”, relata Cristina. “Na época, não tínhamos um recinto pronto para recebê-lo e isso me deixou triste, conservando sempre a lembrança daquele apelo. Mas qual sonho verdadeiro não se realiza?”, questiona a criadora de onças.

Segundo a presidente do Nex, a construção do espaço para receber a onça-parda deve demorar mais 50 dias. O custo ficará entre R$ 15 mil e R$ 17 mil.

O empresário paulista não quer ser identificado, mas, por intermédio de Cristina, enviou uma mensagem explicando porque resolveu fazer a doação: “Ajudar um animal como uma onça que vive nessas condições – sem ver a luz do sol ou pisar na terra – é ajudar um símbolo de nossa natureza que não fez nada de errado para viver assim. É ajudar alguém que nem voz tem para pedir ajuda. É ter a certeza de que crianças a verão mais feliz na sede do Nex.”

O Ibama de Manaus informa que agora está empenhado em encontrar uma forma de viabilizar o transporte aéreo da onça do Amazonas a Brasília. Além do gasto inicial para o recinto, Shiva vai necessitar de pelos menos o equivalente a R$ 450 por mês em carne. Cristina Gianni explica que o Nex consegue o alimento dos animais que cria por meio de doações intermediadas pelo Ministério Público, com quem tem parceria. (Fonte: Dennis Barbosa/ Globo Amazônia)