Das árvores para o chão

Um novo estudo, feito a partir da análise detalhada de ossos de diversas espécies de primatas, reforça a noção de que a característica humana de andar com duas pernas evoluiu a partir de ancestrais que viviam em árvores e não no chão.

A pesquisa, feita por cientistas da Universidade Duke, nos Estados Unidos, também indica que a forma de andar sobre os nós dos dedos, comum aos primatas quadrúpedes, evoluiu principalmente em pelo menos dois momentos distintos, distinguindo gorilas de chimpanzés e bonobos.

O trabalho, feito por Daniel Schmitt, professor de antropologia evolucionária, e sua orientanda de pós-doutorado Tracy Kivell, será publicado esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

O debate sobre a origem do bipedalismo humano vem desde a época de Charles Darwin, dividindo os cientistas da área na defesa de dois modelos distintos.

O primeiro, explicam os autores, estima que o ancestral pré-humano se deslocava sobre os nós dos dedos, “comportamento frequentemente usado pelos nossos parentes vivos mais próximos, os primatas africanos”. O segundo modelo defende que o bipedalismo começou nas árvores, com o ancestral humano posteriormente passando a andar no chão.

Os defensores do primeiro modelo apontam que tanto o homem como os primatas africanos evoluíram a partir de um ancestral que caminhava com os nós dos dedos. Essa conexão, afirmam, ainda estaria evidente em característas dos ossos dos pulsos e das mãos compartilhadas por primatas africanos e pelo homem moderno e seus antecedentes imediatos.

Mas Tracy Kivell observou o contrário ao comparar ossos dos pulsos de exemplares jovens e adultos de chimpanzés e bonobos, os primatas atuais mais próximos do homem, com os de gorilas.

Características fundamentais associadas com o andar sobre os nós dos dedos estavam presentes em apenas 6% dos exemplares de gorilas estudados. Mas as mesmas características foram identificadas em 96% dos chimpanzés adultos e em 76% dos bonobos. Foram analisados 91 exemplares de gorilas, 104 chimpanzés e 43 bonobos.

Para Tracy e Schmitt, uma explicação para a ausência de tais detalhes em gorilas seria o fato de que a forma de caminhar sobre os nós dos dedos nesses animais é diferente da verificada em chimpanzés e em bonobos. Esses dois últimos andam de modo mais flexível, com os pulsos em posição dobrada.

O fato de dobrar mais implica maior uso e desgaste nas respectivas juntas. Como resultado, os pulsos de bonobos e chimpanzés têm detalhes característicos ausentes em gorilas: pequenas concavidades que servem para parar os ossos e evitar que dobrem em demasia.

“Essa diferença saltou aos nossos olhos”, disse Schmitt. “Quando nos perguntamos o motivo dessa diferença a resposta foi clara: chimpanzés e bonobos passam muito tempo nas árvores e os gorilas não”.

Segundo os cientistas, o ancestral pré-humano passou um tempo nas árvores antes de preferir o solo e começar a caminhar com as duas pernas e de forma ereta, um dos maiores marcos na evolução do homem.

O artigo Independent evolution of knuckle-walking in African apes shows that humans did not evolve from a knuckle-walking ancestor, de Tracy Kivella e Daniel Schmitt, poderá ser lido em breve por assinantes da Pnas em www.pnas.org. (Fonte: Agência Fapesp)