29% dos ônibus não fazem inspeção veicular em São Paulo

Quase a metade dos veículos com placas final 1, 2 e 3, que deveriam ter feito a inspeção veicular ambiental até 30 de junho, não fizeram, incluindo 29% da frota de ônibus da cidade de São Paulo.

Segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, de 1,335 milhão de veículos esperados (motos, carros, ônibus, caminhões e caminhonetes), 628,5 mil não compareceram (47%).

Esse contingente está sujeito a uma multa de R$ 550 e à fiscalização que a secretaria e Polícia Militar vão fazer a partir de segunda-feira (19).

Serão quatro blitze por semana em locais variados, em todas as regiões da cidade. Ontem e anteontem, foram realizadas operações específicas para motocicletas.

Do total de motos que deveriam ter feito a inspeção até junho, 64,3% não compareceram. O percentual é bem maior que o de carros, por exemplo (44,7%).

Entre os ônibus, de 9.062 registrados na cidade, 2.633 não fizeram a inspeção. No total de veículos movidos a diesel, 41% não foram inspecionados -dos que foram, 38% não passaram no teste.

“Pela idade desse tipo de frota, é natural que haja um grande índice de reprovados”, diz Evangelina Vormittag, médica especialista em poluição atmosférica e diretora do Instituto Saúde e Sustentabilidade, de São Paulo.

Baixa adesão – Para ela, a baixa adesão pode ter três motivos. Um deles seria a falta de fiscalização, agora reforçada.

Outro motivo, diz, é a divulgação insuficiente, já que o universo de veículos obrigados a fazer a inspeção mudou – agora, todos precisam passar pela inspeção, enquanto no ano passado a obrigação era para aqueles fabricados entre 2003 e 2008.

Outro fator, acredita, pode ser a taxa de inspeção (R$ 56,44), que ela acha que deveria ser bancada pela prefeitura. “Não é só as classes A e B que têm carro”, afirma. (Fonte: Folha.com)