Do osso à pele: mil partes de tigres são apreendidas em 10 anos

Mais de mil partes de tigres mortos por caçadores foram encontradas na Ásia na última década, o que aumenta o medo da extinção da maior espécie de felinos, indica um novo estudo. O relatório da organização Traffic afirma que a maioria dessas partes – geralmente peles, ossos, crânios e pênis – foram apreendidos na Índia, China e Nepal e são destinadas a medicina tradicional, decoração e como amuletos. As informações são da agência AP.

A maior rota de tráfico, descoberta nos últimos anos, começa na Índia – onde se encontra metade da população mundial do animal – e acaba na China, onde as partes são vendidas também como alimento e afrodisíaco. O estudo afirma que o crescimento econômico chinês também ajudou no aumento do tráfico de carcaças de tigres.

O relatório aponta que, na última década – até abril deste ano -, foram capturadas entre 1.069 e 1.220 partes de tigres em 11 dos 13 países nos quais vive a espécie. O documento não indica quantas apreensões ocorreram em cada ano, mas especula que os números oficiais estão bem abaixo dos reais, o que pioraria ainda mais os dados.

Outros estudos indicam que há 100 anos existiam cerca de 100 mil tigres na natureza. Hoje, o número é estimado em 3,2 mil. A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) coloca o tigre em sua lista vermelha de espécies ameaçadas de extinção. Segundo a união, a perda de habitat e a caça são as principais ameaças ao animal. (Fonte: Portal Terra)